Publicidade
Manaus
Manaus

Após um mês do crime, polícia identifica três suspeitos de matar oftalmologista em Manaus

Médico foi morto com três tiros no peito dentro do próprio veículo, no dia 1º de novembro, por suposta motivação passional. Os suspeitos estão foragidos 01/12/2015 às 11:36
Show 1
Peritas coletaram impressões digitais no carro da vítima
Joana Queiroz Manaus

A Polícia Civil já identificou os três suspeitos de assassinarem o médico oftalmologista Egídio Corrêa Lira Junior, de 37 anos, morto com três tiros no peito dentro do próprio veículo no dia 1º de novembro deste ano, há um mês.

O delegado Luís Rocha, titular em exercício da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), confirmou a informação. Segundo ele, os três homens autores do crime estão foragidos no interior do Estado, mas as prisões preventivas deles já foram solicitadas à Justiça. O crime teria motivação passional.

Luís Rocha já havia solicitado a segunda perícia no veículo da vítima, onde aconteceu o homicídio, e hoje pela manhã duas peritas do Instituto de Criminalística (IC) foram à sede da DEHS para coletar impressões digitais no carro, que está estacionado no pátio da delegacia desde o crime.

Os resultados dos exames de perícia deverão sair dentro de 30 dias e serão comparados com as digitais dos suspeitos para retirar qualquer dúvida sobre a autoria do homicídio.


Segunda perícia no veículo da vítima. Winnetou Almeida

Tiros à queima roupa

O médico oftalmologista Egídio Corrêa Lira Junior, 37, foi encontrado morto dentro do próprio carro, uma picape Ford Ranger de placas JXN-9631 e cor prata, por volta das 10h30 do domingo 1º de novembro, na rua Eixo Norte, no bairro Distrito Industrial, Zona Leste da cidade.

A vítima estava com três marcas de tiro no peito, à queima roupa. Dentro da picape tudo estava revirado, e o aparelho de som e o celular da vítima não estavam lá. O corpo do oftalmologista estava no banco de trás do, enrolado em um lençol. Muitas embalagens de chiclete e alguns medicamentos foram encontrados no carro.

Segundo a primeira perícia, feita no dia em que o corpo foi encontrado, o médico foi morto na manhã do dia 1º. Na época, a polícia desconfiava que o corpo foi trazido para a região porque quem o matou tinha a intenção de jogá-lo no matagal.

Vida pessoal da vítima

Egídio Corrêa tinha um escritório no edifício Rio Negro, no Centro de Manaus, e morava em uma casa na rua Monsenhor Coutinho, também no Centro, Zona Sul. Ele foi visto pela última vez por vizinhos saindo de casa, por volta das 9h de domingo.

Segundo a polícia, Egídio era um médico bem conceituado profissionalmente e tinha uma vida equilibrada. Ele possuía um carro, uma lancha e um jet-ski, além de ter namoradas. Nas eleições de 2008 o médico havia sido candidato a vereador no município de Autazes, pelo Partido Verde (PV).

Publicidade
Publicidade