Terça-feira, 20 de Agosto de 2019
MATANÇA

Nenhum preso foi indiciado por massacre em presídios deste ano no AM

Após um mês, a investigação para elucidar e punir os responsáveis pelas mortes já requisitou documentos, listagem de presos e laudos necroscópicos emitidos pelo IML



agora_seap_tr_s_9E4FF076-EA09-4932-98F6-6D568D69D157.JPG No complexo prisional da BR-174 ficam três dos quatro presídios onde mortes foram registradas. Foto: Márcio Silva
28/06/2019 às 08:03

Um mês depois do massacre nas unidades prisionais a comissão instituída pela Polícia Civil do Amazonas (PC-AM) para investigar as mortes ocorridas nos dias 25 e 26 de maio nas unidades prisionais de Manaus ainda não indiciou nenhum dos responsáveis pelas 55 mortes.

Segundo o coordenador da comissão responsável pelo inquérito instaurado pelo PC, delegado Tarson Yuri Silva Soares, a investigação para elucidar e punir os responsáveis pelas mortes iniciou no dia 31 de maio e já requisitou documentos, a listagem de presos e os laudos necroscópicos emitidos pelo Instituto Médico Legal (IML).  Após a análise dos documentos, serão realizadas oitivas com funcionários e terceiros que tiveram acesso aos locais, informou o delegado.

O que aconteceu antes

“Os trabalhos investigativos seguem desde então com requisições documentais, listagem de presos e aguardo dos laudos necroscópicos. Nas próximas semanas, iniciaremos as oitivas de funcionários e terceiros que de alguma forma tiveram acesso às unidades prisionais no período que antecedeu as mortes”, disse o delegado.

As investigações abrangem as mortes ocorridas no Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), no Centro de Detenção Provisório (CDPM 1), no Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat) e na Unidade Prisional do Puraquequara (UPP), e  praticadas pelos internos.

Sol, após um mês

Na próxima segunda-feira, as portas das celas das unidades prisionais onde aconteceram as 55 mortes vão ser abertas para que os internos possam sair para o banho de sol, conforme informações da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap).  Já as visitas vão continuar suspensas, sem data prevista para retornar.

Os internos foram colocados na “tranca” desde o dia do massacre e estão sem banho de sol e sem receber visitas. Nos últimos dias, as unidades foram submetidas a revistas feitas policiais e agentes penitenciários a procura de ilícitos, mas nada foi encontrado.

Desde o massacre, a administração penitenciária vem fazendo revistas sistemáticas e também fez a retirada de televisão e outros eletroeletrônicos que tinha nas celas. Atualmente, além do kit a que o preso tem direito, dentro das celas ficaram quatro ventiladores.

Todas essas ações, de acordo com as informações da Seap, têm como objetivo manter o controle e a tranquilidade nas unidades prisionais da capital.

Receba Novidades

* campo obrigatório
Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.