Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2020
INOVAÇÃO

App desenvolvido no AM guia visita de surdos no Bosque da Ciência

Adaptação do programa de acessibilidade ‘Giulia’ para deficientes auditivos que visitam o Bosque da Ciência foi reconhecido como melhor projeto em inovação pelo Prêmio Brasil Criativo



roteiro-turistico-inclusivo-para-surdos_AD7A7AD0-D6C7-4F2A-BC57-8DEA70CCFAC8.jpg Foto: Reprodução / Internet
08/12/2019 às 19:00

Um incremento feito no programa “Giulia”, tecnologia de tradução que permite a comunicação entre surdos e ouvintes, vai possibilitar que o deficiente auditivo tenha acesso às informações de atrativos do Bosque da Ciência do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia sem a necessidade de um condutor para auxiliá-lo.

Idealizado pela professora da Escola Superior de Artes e Turismo da Universidade do Estado do Amazonas (Esat/UEA) Selma Paula Batista, em parceria com a Map Innovation e com o professor Manuel Cardoso, fundador do Giulia, o projeto foi contemplado, no último fim de semana, como o melhor em inovação no Brasil, na categoria Pesquisa e Desenvolvimento-P&D, do Prêmio Brasil Criativo.



Dentro da plataforma já existente, a nova possibilidade é a de mostrar um roteiro inclusivo para o deficiente auditivo no Bosque da Ciência. “Falando de oportunidade, temos, hoje, esse projeto que é inédito no mundo. Não existe atrativo acessível com essa plataforma em que o surdo possa chegar ao local, pegar um celular, realizar a leitura do QR Code e ter as informação em libras dos atrativos”, explicou a Selma Batista.

Na prática, pelo projeto intitulado  “Roteiro Inclusivo no Bosque da Ciência/Inpa”,  o  deficiente auditivo agenda uma visita ao espaço e, ao chegar no local, ele receberá um kit acessível com um celular e um crachá que permite através da leitura de QR Code iniciar a utilização da plataforma.

“Você não vai precisar do condutor do bosque para guiar você em tudo. O usuário deixa apenas o documento com foto na recepção, pega seu kit e vai fazer a autocondução, e, ao final, devolve o equipamento. Dessa forma, ele tem informações sobre os atrativos a partir de um avatar do celular falando para ele em libras”, destacou ela.

Estão disponíveis informações de 14 atrativos, como peixe-boi, Ilha da Tanibuca, ariranha, poraquê e Maloca Indígena.

O trabalho de pesquisa de iniciação científica iniciou em junho de 2017, e a implementação do “Giulia Para Surdos” no Bosque da Ciência aconteceu em maio deste ano, tendo como aluno pesquisador Thiago Pereira de Souza. O próximo passo, segundo Selma, é melhorar ainda mais plataforma que precisa de recursos para que seja expandido.

Outro roteiro

“Para avançar, nós fizemos um piloto, usando uma outra metodologia, porque o ambiente requer uma metodologia diferenciada, no Museu da Cidade. Há 11 ambientes no Paço da Liberdade que compreende esse Museu e, desses ambientes, nos já editamos um que é a sala da arqueologia”, disse ela, sobre a ideia que precisa de recursos e destaca os gargalos que envolvem a expansão.

“O gargalo é ampliar a oferta e a outra oportunidade que a gente vislumbra é que nos locais que implementarmos o Giullia, a gente tenha um estagiário surdo atuando junto”, afirmou Selma.
“A gente quer não é só oferecer uma oportunidade de inclusão do surdo nos espaços de lazer, mas, sobretudo garantir também que ele possa ao conhecer e se apropriar desses espaços culturais, seja um dos agentes a atuar nesses espaços com uma remuneração”, acrescentou a professora.

Desde maio até o momento,  a professora Selma Batista tem o conhecimento de que apenas um deficiente auditivo utilizou do método nas dependências do Bosque da Ciência do Inpa, localizado no bairro Petrópolis, Zona Centro-Sul de Manaus. Ela e o aluno pesquisador Thiago Pereira estudam maneiras de estimular que mais pessoas frequentem o espaço de modo espontâneo, sem a necessidade de acionar associações, por exemplo.

“A gente identificou a falta de fluxo. Em novembro, uma pessoa esteve na portaria e usou o aplicativo. Então, a gente entende que precisa trabalhar a divulgação do produto”, afirma. “Enquanto grupo de pesquisa, nós discutimos em como tornamos a divulgação mais acessível, sem precisar buscar o surdo em suas associações, mas que eles venha por interesse próprio, porque sabem que o espaço é acessível”, afirma.

Diante desse cenário, o Thiago Pereira destaca a importância implantar o projeto em  outros espaços culturais da capital amazonense, para ampliar não só o acesso, mas também a popularidade da plataforma tecnológica. “Quando alguém fala em acessibilidade, a primeira coisa que vem em mente é o cadeirante”, atesta.  “As pessoas começaram a colocar rampa, corrimão e isso não supre a necessidade das outras deficiências, e o surdo, por exemplo, ficou muito de lado. Tudo que a gente conhece de cultura precisa ser adaptado para libras porque a língua brasileira de sinais não é a Língua Portuguesa”, observa.
 

News karol 2d8bdd38 ce99 4bb8 9b75 aaf1a868182f
Repórter de Cidades
Jornalista formada pela Uninorte. Apaixonada pela linguagem radiofônica, na qual teve suas primeiras experiências, foi no impresso que encarou o desafio da prática jornalística e o amor pela escrita.

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.