Publicidade
Manaus
PROTESTO

Aprovados e classificados no concurso da Susam de 2014 protestam por convocação

"Queremos a nossa convocação, estamos há um ano nessa enrolação. Ele [Melo] já abriu prazo para vários órgãos e nenhuma das datas que ele nos deu até hoje, ele cumpriu", declarou a coordenadora do movimento 31/03/2016 às 11:19 - Atualizado em 31/03/2016 às 11:32
Lucas Jardim Manaus (AM)

Cerca de 100 pessoas se reuniram na frente da sede da Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam) na manhã desta quinta-feira (31), para protestar contra o Governo do Estado, que não convocou os 11.646 candidatos aprovados e classificados no concurso público da pasta, realizado em 2014.

A data do protesto é simbólica: ela marca o aniversário de um ano da homologação do concurso, a qual não resultou em nenhuma convocação para suprimento de vagas, situação que, de acordo com a enfermeira Bia Pause, coordenadora do movimento dos manifestantes, é única no Brasil.

"Queremos a nossa convocação, estamos há um ano nessa enrolação. [...] Ele [Melo] já abriu prazo para vários órgãos e nenhuma das datas que ele nos deu até hoje, ele cumpriu", declarou a enfermeira, dizendo que a cada dois meses, uma nova data era anunciada pelo Governo e descumprida.

Temporários e terceirizados

Bia explica que a demanda na saúde pública do Estado que seria suprida pelos concursados não chamados atualmente vem sido atendida pelos trabalhadores temporários e terceirizados.

"Ele [Melo] vai dizer que está demitindo os temporários, só que não adianta ele fazer isso se ele demite um temporário e contrata um terceirizado. Ele tem renovado constantemente no Diário Oficial [do Estado] com essas empresas terceirizadas e a gente tem, inclusive, conhecimento de pessoas que eram temporários, perderam seus empregos e já estão contratadas como terceirizados. Isso a gente não quer. Não adianta ele tapar o sol com a peneira, que a gente está sabendo disso e a gente precisa trabalhar", relatou Bia.

Outras medidas

A coordenadora do protesto disse que os concursados não têm sido recebido pelos órgãos públicos para dialogar a questão, mas que eles planejam outras medidas para continuar sua luta.

"Nós vamos denunciar isso ao Conselho Nacional de Justiça [CNJ] e nós também planejamos um acampamento na frente de algum órgão [competentes]. Se necessário for, vamos inclusive fazer greve de fome porque nós queremos trabalhar e exigimos nossos direitos como concursados", disse Bia.

Dentro do prazo

Em nota, a Susam informou que vai apresentar ao governador José Melo, até esta sexta-feira (1°), a proposta para a primeira chamada do concurso público realizado em 2014.

A pasta também ressaltou que o certame, cujo resultado foi homologado em abril de 2015, encontra-se dentro do prazo de validade de 2 anos e que poderá ser prorrogado por igual período.

"Antes de iniciar a convocação dos aprovados de 2014, a Susam precisou chamar para nomeação os aprovados remanescentes do concurso de 2005, processo que foi concluído no início deste mês", concluiu, no documento.

Publicidade
Publicidade