Segunda-feira, 20 de Janeiro de 2020
MANIFESTAÇÃO

Aprovados no concurso dos Bombeiros de 2009 cobram convocação em protesto

Nem metade das 1200 vagas abertas em concurso de 2009 foi preenchida. Aprovados aguardam pela Justiça, mas cobram ação do Governo



WhatsApp_Image_2018-02-26_at_15.07.48.jpeg (Foto: Jander Robson)
26/02/2018 às 15:38

Aprovados no concurso de 2009 do Corpo de Bombeiros Militar do Amazonas (CBAM) realizaram uma manifestação na tarde desta segunda-feira (26), em frente à Delegacia Geral do Estado do Amazonas, localizada na Zona Oeste de Manaus. O grupo reivindica a convocação imediata de 820 profissionais da área da saúde. 

O advogado de boa parte dos aprovados, Douglas Herculano, afirmou que o Governo do Amazonas abriu 1.200 vagas no certame de 2009, mas até o momento nem a metade dos aprovados foram nomeados. 



"O prazo final da homologação do concurso acabou em 2014. A partir daquele momento ingressei com vários pedidos na justiça. O processo foi para o Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou a nomeação dos candidatos. Agora estamos na fase de cumprimento desta decisão. O Governo do Amazonas deveria estar se programando para realizar a convocação", explicou o advogado. 

Segundo os organizadores, participaram da manifestação nesta segunda-feira (26), cerca de 150 pessoas. "Esses profissionais que estão aqui foram aprovados para a área médica. Queremos chamar atenção do Governo do Estado, para que aconteça as nomeações. Vamos realizar outros atos, até que as convocações aconteçam", ressaltou o advogado.

Os manifestantes protestaram com faixas e apitos. Um dos aprovados no concurso para a vaga de técnico de enfermagem, Wilson Fernandes, comentou que o concurso foi realizado na gestão de Eduardo Braga, e os seus sucessores, Omar Aziz e José Melo, não realizaram as nomeações. 

"O prazo do concurso foi prorrogado para 2014. Até o próprio STF reconheceu os nossos direitos. Estivemos com vice-governador do Amazonas e ele disse que vai cumprir com as decisões. Em Janeiro, uma médica foi nomeada e outras oito pessoas também", destacou. 

O aprovado também lamenta a demora da convocação. "Estamos aguardando, mas já se passaram muitos anos. Vemos que o atual Governo não está com má vontade. No entanto, precisam resolver isso logo. Fico triste com essa situação, porque não estamos pedindo nada mais que o nosso direito", completou.

Em nota, a Secretaria de Estado de Comunicação afirmou que, desde o início da nova administração, há quatro meses, o Governo do Amazonas "trabalha para sanar pendências deixadas por governos passados". Sobre o concurso, cujo prazo de convocação expirou em 2014, o Governo do Amazonas afirmou que,  por meio da Procuradoria Geral do Estado (PGE), "tem analisado todas as pendências jurídicas e trabalha para o cumprimento das decisões judiciais".


Mais de Acritica.com

20 Jan
trans_8C3DB8BB-BCF9-43E8-B068-3BED79D3DBF5.JPG

Mutirão retifica nomes e assegura identidade de travestis e transsexuais

20/01/2020 às 20:27

Como o procedimento feito diretamente no cartório não é tão simples (a lista de documentos exigidos é extensa) e nem sempre é barato (custa em média entre R$350 a R$ 400), a ação visa não somente facilitar a vida das pessoas transexuais que desejam alterar o nome e gênero de registro em sua documentação de nascimento, como também vai acompanhar e custear a certidão de tabelionato de protestos


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.