Publicidade
Manaus
Manaus

Área pública na segunda etapa do Viver Melhor volta a ser ocupada por comerciantes

Residencial, que foi alvo de reintegração ano passado por conta das invasões, volta a ser palco de ocupações irregulares 10/11/2015 às 08:39
Show 1
O local já foi alvo de ação de reintegração no ano passado, mas voltou a ser invadido por pequenos comerciantes locais
silane souza ---

Uma área pública localizada na segunda etapa do Conjunto Residencial Viver Melhor, no bairro Santa Etelvina, Zona Norte, voltou a ser ocupada por comerciantes. No local, que foi palco de uma reintegração de posse em dezembro de 2014, vários boxes feitos de compensado foram construídos e outros ainda estão sendo erguidos em meio aos entulhos que ficaram após a última ação de desocupação do terreno.

Os moradores defendem a ação porque afirmam ser a única opção de compras, tendo em vista que o comércio mais próximo de quem mora na segunda etapa do Viver Melhor fica na primeira fase do conjunto habitacional. “Só deixaram espaço comercial na primeira etapa, mas na segunda não deixaram área para nada”, declarou o eletricista bobinador Amarildo Dias, 46.

A dona de casa Kilsen Rodrigues Martins, 25, disse que, para quem não tem nenhum meio de transporte próprio, é muito ruim ter que ir fazer compras no comércio da primeira etapa porque fica distante. “Se tem comércio lá poderia ter aqui também para ser justo com o pessoal que mora nesta etapa. O problema é que entregaram essa fase do Viver Melhor sem ter arquitetado um espaço comercial para os moradores”, destacou.

O almoxarife Alexandre Souza, 28, relatou que, além da dificuldade que os moradores da segunda etapa têm para ir ao comércio da primeira fase do Viver Melhor, por ser distante, o preço dos produtos comercializado naquela área é mais caro. “Além de longe, o preço lá é um absurdo. A questão aqui não é invadir, a gente precisa de uma área de comércio nessa etapa”, apontou.

1ª etapa

Na primeira etapa do conjunto habitacional há uma área comercial que só funciona por conta de uma liminar judicial que permite que os comerciantes permaneçam no local. “Precisamos que essa área seja legalizada porque um lugar onde moram quase 50 mil pessoasm se não tiver uma área comercial o morador que não tem carro vai sofrer. Aqui não tem comércio próximo”, enfatizou o comerciante Aurélio Girão.

A comerciante Maria de Nazaré S. Almeida lembrou quem na época da entrega das unidades habitacionais, os moradores receberam a promessa do Governo do Estado de que a área destinada ao comércio seria entregue a eles, no entanto, o compromisso ainda não foi cumprido. “Até hoje não sabemos onde vai ser essa feira, mas nós precisamos de uma respostam porque existe o projeto para uma área comercial aqui”, afirmou.

A reportagem entrou em contato com a Secretaria de Estado de Comunicação Social (Secom), mas não obteve resposta até o fechamento desta edição.

Reintegração

Em dezembro de 2014, em torno de 150 barracas comerciais irregulares foram derrubadas pela Polícia Militar em cumprimento a uma ordem judicial de reintegração de posse na primeira e na segunda etapa do Viver Melhor, no bairro Santa Etelvina.

Publicidade
Publicidade