Publicidade
Manaus
Manaus

Área verde do conjunto Águas Claras é o mais novo alvo de conflito de terras em Manaus

Moradores dizem que major da PM ocupou indevidamente área pública, onde será construído espaço de lazer para comunidade. Homem nega apresentar documento de propriedade 26/08/2015 às 10:07
Show 1
Em protesto, moradores interditam principal via de acesso ao Conjunto Águas Claras
alexandre pequeno Manaus (AM)

Moradores do Conjunto Águas Claras, no bairro Novo Aleixo, Zona Norte de Manaus, entraram em conflito com um homem que se diz dono de uma da área verde na localidade, na tarde de hoje (25). Os moradores atearam fogo em pneus e madeiras, bloqueando a avenida Arterial, principal via de acesso ao conjunto, na tentativa de chamar atenção para uma ocupação que eles dizem ser irregular.

Um morador do conjunto que preferiu não se identificar informou que a situação se agravou quando o suposto dono – que seria major da PM – chamado Marques, “começou a cercar as terras institucionais e ameaçar todas as pessoas que se aproximam do local”.


Área foi murada

“A área que está sendo invadida é uma área da comunidade, onde serão executados alguns projetos, como por exemplo, área de lazer, etc. Porém, uma dessas áreas que está sendo invadida por esse major já estava até sendo cercada. Por isso as pessoas fecharam a via na tentativa de protestar”, afirmou.

“Ele ameaça todas as pessoas, não deixa os moradores chegarem perto, ele e a esposa ameaçaram todo mundo incluindo eu e minha mãe”, completou.

Uma funcionária da Vieiralves Imobiliária, que é responsável pelos terrenos do conjunto, optou também por não se identificar e disse que a comunidade se reuniu e foi na imobiliária para saber qual o verdadeiro dono da área ocupada. Ela disse que alertou os comunitários que a área é institucional e que não pode ser vendida.

Moradores estão revoltados

“Fui no conjunto e   identifiquei que é uma área aprovada como institucional, de interesse público, e esse suposto dono, o major, afirma que a área é dele. Conversei com ele e disse que era uma área institucional. Ele murou uma outra área de mais de 17 mil metros quadrados e agora está murando uma outra área verde. A comunidade se revoltou”, afirmou.

Ela disse ainda que ele se nega a mostrar qualquer  documento que prove que o terreno é dele. “Ele ameaça e coage os moradores”, disse.

Até o fechamento desta matéria, não conseguimos contato com a assessoria da PM para confirmar se o suposto dono é realmente major da corporação, e se a corregedoria irá investigar a conduta dele.

Publicidade
Publicidade