Publicidade
Manaus
Manaus

Arrependido, gerente de cachaçaria devolve dinheiro furtado, mas não se entrega

O pai de Pedro Marks Brito Filho, coordenador de garços em restaurante de shopping de luxo, foi quem devolveu R$ 80,930 na delegacia do município de Itacoatiara (AM) 03/01/2015 às 12:15
Show 1
Delegada Fabíola Queiroz diz que a boa vontade da família foi fundamental na investigação, mas ela ainda espera pela rendição de Pedro Marks
Perla Soares Manaus (AM)

A família de Pedro Marks Brito Filho, de 26 anos - coordenador de garçons da Cachaçaria do Dedé localizada no Shopping Ponta Negra, na Zona Oeste de Manaus, que fugiu com R$ 86 mil furtados da empresa e forjou o próprio sequestro -, se arrependeu e devolveu quase todo o dinheiro à Policia Civil de Itacoatiara (a 177 quilometros da capital) na manhã deste sábado (3).

Segundo a delegada titular do 19º Distrito Integrado de  Policia (DIP), Fabíola Queiroz, o pai de Marks foi quem devolveu o valor de R$ 80,930, quase R$ 5 mil a menos do que foi levado. "O pai de Pedro Marks foi na manhã de hoje na delegacia e disse que o filho se arrependeu ao se sentir ameaçado, pois estava sendo procurado (pela polícia)”, revelou Fabíola, durante coletiva de imprensa.

Ainda conforme a delegada, o dinheiro foi devolvido mas Pedro Marks ainda não se entregou, mas ela frisou que a Polícia Civil está aguardando por uma atitude assim. "O caráter e a boa vontade da família foi fundamental durante as investigações, e vamos aguardar”, concluiu. Informações dão conta, ainda, que o funcionário fugiu para o município de Urucurituba, a 208 quilômetros de Manaus.

Entenda o caso

A Polícia Civil iniciou as investigações do caso suspeitando que o gerente Pedro Marks  tivesse sido sequestrado na última quarta-feira (31), depois de sair da Cachaçaria do Dedé, onde trabalhava, por volta de 20h. A história teve repercussão nas redes sociais Facebook e Whatsapp quando uma imagem informando o desaparecimento de Pedro foi divulgada. Familiares contam que ele saiu do local de trabalho, foi para a casa da mãe dele, no Conjunto Eldorado, na Zona Centro-Sul, e ao sair para passar o Réveillon com a mulher não foi mais visto.

Em sua página no Facebook, Dayane Brito, esposa de Pedro, demonstrou muita aflição e cobrou respostas. “Quem quiser me ajuda e me dar apoio, amanhã em frente ao Shopping Ponta Negra, já que a delegacia só pode me atender segunda-feira. Conto com vocês. Que justiça é essa? Meu marido é um homem honesto e creio que ele está vivo em algum lugar precisando de ajuda”, desabafou.

O caso foi registrado e as investigações tiveram início. Ainda na sexta-feira (2), a Delegacia Especializa em Homicidios e Sequestros (DEHS) descartou a possibilidade de o gerente da Cachaçaria do Dedé ter sido sequestrado pois, de acordo com a polícia, Pedro furtou R$ 86 mil dos cofres do restaurante, mas teve ação flagrada por uma camera do circuito interno.

O Shopping Ponta Negra informou, por meio de nota enviada à imprensa, que "além dos registros das câmeras do shopping, que estão disponíveis, a gerência acionou o serviço de informática do empreendimento, que recuperou as imagens das câmeras instaladas dentro da Cachaçaria do Dedé. Por essas imagens, fica claro que não houve a entrada de pessoas estranhas ao estabelecimento e também que não houve sequestro. A ação foi empreendida por funcionário do próprio restaurante".

O dono do estabelecimento esteve na DEHS na tarde desta sexta, onde registrou um Boletim de Ocorrência (BO) por furto. Ele também apresentou as imagens que mostram toda a ação do gerente. Ainda segundo a polícia, Pedro chegou a desligar várias câmeras do circuito, antes de ir até o cofre e pegar o dinheiro. Em seguida, ele deixou o estabelecimento sozinho. Os policiais acreditam que ele fugiu para o interior do estado.


Publicidade
Publicidade