Publicidade
Manaus
Manaus

Arsam tem 15 dias para verificar informações do levantamento técnico sobre adutoras em Manaus

A Arsam verificará o processo de fiscalização das adutoras por parte da concessionária de água, entre elas a qualidade e a disponibilidade dos materiais utilizados na troca e na manutenção das tubulações 02/04/2013 às 12:34
Show 1
No dia 21 de março hou o rompimento da adutora localizada na avenida Coronel Teixeira, em frente ao Porão do Alemão, na Zona Oeste.
Bruna Souza Manaus, AM

O relatório com o levantamento técnico sobre o estado das adutoras de água, solicitado pela Prefeitura Municipal de Manaus (PMM) à empresa Manaus Ambiental foi entregue no fim da tarde desta segunda-feira (1), à Agência Reguladora dos Serviços Públicos Concedidos do Amazonas (Arsam). O órgão tem o prazo de 15 dias para dar um parecer sobre as informações repassadas pela concessionária e exigir a manutenção e a troca das adutoras que apresentem problemas.

Troca imediata

As informações foram repassadas pelo presidente da Arsam, Fábio Alho, que ressaltou a prioridade na troca imediata das adutoras e a fiscalização do serviço oferecido pela Manaus Ambiental.

“Recebemos o levantamento técnico da Manaus Ambiental com mapas e o detalhamento de toda rede de abastecimento de água da cidade. Vamos verificar e confirmar ou não as informações contidas no laudo, para assim exigir as medidas necessárias por parte da empresa, evitando novos problemas à população”, relatou Alho.

A Arsam verificará o processo de fiscalização das adutoras por parte da concessionária de água, e avaliar a qualidade e a disponibilidade dos materiais utilizados na troca e na manutenção das tubulações.

“Neste primeiro semestre vai começar a troca das adutoras que apresentarem problemas que possam resultar em um novo rompimento. Todo dia acontecem oscilações de energia na cidade e não podemos aceitar que isto seja o principal responsável pelos últimos acontecimentos na cidade”, desabafou o presidente.

Fábio Alho também garantiu que todos os equipamentos serão analisados, principalmente o sistema online, que deveria mostrar possíveis problemas nas tubulações, e não estaria funcionado durante o registro dos rompimentos.

Rompimentos

A análise das adutoras foi solicitada pelo prefeito Artur Virgílio Neto no último dia 22 de março, depois de alguns registros de rompimentos de adutoras na cidade, entre eles, o que ocorreu no dia 21 de março na avenida Coronel Teixeira, bairro da Ponta Negra, Zona Oeste, e outro de grandes proporções no dia 15 de janeiro, no qual uma adutora com capacidade de 800 milímetros, localizada na rua Matos Areosa com a rua das Flores, no bairro compensa II, na mesma zona, também rompeu, afetando mais de 125 famílias.

Publicidade
Publicidade