Quarta-feira, 18 de Setembro de 2019
Manaus

Artur Neto enfrenta desafios em obras inacabadas deixadas por ex-prefeitos de Manaus

O novo prefeito da cidade terá bons motivos para concluir algumas obras e provavelmente muita dor de cabeça em outras



1.jpg Obra do Mercado Municipal Adolpho Lisboa se arrasta há mais de seis anos
07/01/2013 às 09:12

O primeiro ano do governo tucano de Artur Neto (PSDB) à frente da prefeitura de Manaus será para dividir a herança deixada por pelo menos três ex-prefeitos: Alfredo Nascimento (PR), Serafim Corrêa (PSB) e Amazonino Mendes (PDT), entre o que fará, o que deixará para os próximos três anos e o que protelará ao futuro gestor da cidade.

Desta segunda-feira (07), até quarta-feira o tucano estará às voltas com os vereadores da Câmara Municipal de Manaus (CMM) para discutir a reforma administrativa no secretariado e a revogação do projeto de lei que aumentou seu salário em 21,5% (leia mais na página A3). Na esteira dessas discussões, continua empacado com os parlamentares o projeto do “Plano Diretor de Manaus”.

Entram nessa lista dos empacados os projetos de lei aprovados na CMM há quase dois anos que criaram a “Taxa do Lixo” (uma taxa de R$ 10 até R$ 90 reais, sobre a quantidade de lixo produzida pela família) o “Zona Azul” (a cobrança de R$ 2 por hora de estacionamento em ruas do Centro por uma empresa privada), e a regulamentação dos mototaxistas. Todos continuam engavetados na sede da prefeitura e prometem novas dores de cabeça ao tucano.

Na esfera de obras, o ex-prefeito Amazonino Mendes deixa para Artur Neto a obrigação de terminar a reforma do Mercado Municipal Adolpho Lisboa orçada em R$ 11 milhões. A obra, iniciada em 2007 na gestão do ex-prefeito, e hoje aliado de Artur, Serafim Corrêa (PSDB), está parada. No discurso de posse, o tucano prometeu a quarta data de inauguração da obra, dessa vez para 24 de outubro, no aniversário de Manaus.

Com orçamento de R$ 29 milhões, outra preocupação do tucano nos próximos meses é descobrir o que está errado na obra da primeira fase da Praia da Ponta Negra. A praia provisória está interditada pela segunda vez, e desde que foi aberta à população 16 mortes por afogamento ocorreram no local. A segunda fase da obra está parada por conta do problema na primeira etapa.

(A íntegra deste conteúdo está disponível para assinantes digitais ou na versão impressa).


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.