Sábado, 14 de Dezembro de 2019
ASFALTO

Asfalto ‘fake’ desaparece após a reeleição do prefeito Artur Neto

Moradores de ruas das zonas Norte e Leste que estamparam a propaganda eleitoral do tucano se queixam da precariedade das vias



aa.JPG Morador do Conjunto João Paulo, o agente de portaria, Frank da Silva, afirma que a rua Boldo, anunciada na propaganda de Artur, não recebe asfalto há quatro anos (Foto: Clóvis Miranda)
16/04/2017 às 11:00

Quase um ano depois do prefeito Artur Neto (PSDB) prometer “um show de asfalto” com “muita qualidade”, para conquistar mais um mandato, a cidade não consegue identificar onde foi parar o serviço anunciado. Ruas apresentadas nas redes sociais pelo tucano como recapeadas durante a campanha eleitoral, hoje estão esburacadas e, em alguns casos, em estado precário, sem condições de tráfego.

Um exemplo claro do descaso com a manutenção do sistema viário do município pode ser encontrado nos problemas enfrentados todos os dias pelos moradores do bairro João Paulo, zona Leste de Manaus, e do conjunto João Paulo 2,  no bairro Santa Etelvina, zona Norte.



No instagram, o prefeito em 26 de outubro de 2016 publicou vídeo de 19 segundos onde mostra como era a rua Boldo, no bairro João Paulo, e como ficou. Com um jogo de imagens, o tucano apresenta uma foto da rua esburacada com a expressão: “era assim”. Em  seguida, em outra imagem, com os dizeres “com o Artur ficou assim”, a via  aparecer  recapeada.

A legenda da publicação na rede social diz: “Dá gosto de ver o trabalho que Artur e sua equipe fizeram na rua Boldo, no João Paulo. O nome disso é respeito ao povo. Vamos juntos avançar com o 45!”, sugere a publicação em referência ao número de campanha do tucano.

Apesar da afirmação às vésperas do 2° turno da campanha que o reelegeu prefeito de Manaus, o comerciante Hilton José Rodrigues, 59, afirma que há quase cinco anos não vê a rua Boldo, localizada no bairro João Paulo, sendo recapeada. “Nós mesmos é que jogamos um cascalho para tentar amenizar a buraqueira, mas nada que dure e que não seja levado pela chuva. Carro pequeno aqui não passa, se passar é prejuízo na certa”, contou Hilton.

Na mesma rua a dona de casa Eliane Alves Ferreira, 28, é direta. “Se fizeram algum serviço aqui, foi mal feito. Os vizinhos tentaram ajeitar, arrumar com cascalho, mas não serve. Quando chove fica feio, feio.

Maria de Lourdes, 67, aposentada, mora há oito anos na rua Boldo. Ela relata que no período de campanha, militantes de Artur Neto chegaram a prometer que a via seria recapeada. “Vieram aqui na campanha, olharam, falaram que iriam recapear toda a rua, mas não fizeram. Para não dizer que não foi feito nada, taparam um buraco, mas está aí, aberto já. O asfalto que colocaram não durou, não sei, acho que não serviu muito. Não fizeram um serviço bem feito”, analisou a aposentada.

Em publicação no Instagram, o prefeito Artur Neto afirmou, no dia 25 de julho de 2016, que sua equipe havia começado “a urbanização e revitalização das ruas dos conjuntos Buritis e João Paulo 2, no Santa Etelvina”. “Assim que cheguei fui rodeado por moradores, que disseram que há seis anos o poder público não passava pelo local. Estamos há três anos e hoje começamos a mudar esta realidade. Eles entenderam que é impossível estar em todos os lugares ao mesmo tempo e vão acompanhar o trabalho de perto. Faremos as 42 ruas do Buritis e em seguida vamos para o João Paulo. Encontramos muitos bueiros entupidos. Faremos a desobstrução de todos, assim como rever a iluminação. Manaus avança”, disse Artur na rede social.

Moradores da rua Cônego José Monteiro de Noronha, no conjunto João Paulo, considerada a principal via do conjunto pelos moradores, por onde antes passavam as linhas de ônibus, garantem que o bairro não foi recapeado durante a última campanha eleitoral.

 Ex-taxista, Paulo Cesar de Moraes Silva, 60, também morador da rua Cônego reafirma que a rua não foi recuperada. “Durante a campanha todo mundo aparece, mas até hoje nada. Mas também eles colocam “papilim” na rua, é só uma camada de asfalto, não serve. Eles deveriam passar umas três camadas, mas não. É porque eles não querem fazer um negócio duradouro para que o próximo que for administrar a cidade depois deles ganhar dinheiro também com isso. O nosso vizinho aqui vendeu o carro porque cansou de pagar reparo. Esse é o limite que podemos chegar”, relatou Cesar.

Serviço deu impulso à campanha

Reportagem de A CRÍTICA publicada em 21 de outubro de 2016 mostrou que a Prefeitura de Manaus turbinou, às vésperas do início da campanha eleitoral, as despesas com obras em quase meio bilhão de reais. Em julho de 2016, a Seminf empenhou (primeira fase do pagamento de um contrato) R$ 457,1 milhões, o que representa 63,4% a mais de tudo que a pasta se comprometeu a pagar nos seis meses anteriores. De janeiro a junho, a Seminf registrou para pagamento R$ 279,6 milhões.

Em fevereiro deste ano, o Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE) aprovou pedido de inspeção extraordinária na Seminf por indícios de graves irregularidades como a inexistência de controle na aquisição e aplicação de material asfáltico com “potencial dano” aos cofres da administração, referente ao exercício de 2015 e 2016. A investigação está sendo conduzida pela conselheira Yara Lins. Em apuração preliminar, os técnicos da corte apontaram a falta de comprovação dos  trechos de rua onde teriam sido realizados aplicação do asfalto.

Blog: José Alberto, Auxiliar de tráfego

“Moro aqui  há seis anos. Há uns três ou quatro anos essa rua foi recapeada (rua Cônego). Nessa última campanha teve apoiador de candidato que prometeu que a nossa rua seria recapeada, mas nada aconteceu. Aqui antes passavam os ônibus. Era a principal, mas ficou intransitável. Eles desviaram a rota por conta dos buracos. Nós já tentamos improvisar e jogar cascalho, mas não adianta. Eu acho que o prefeito tem que vir aqui ou mandar o pessoal dele, porque não tem como. Já não tem como passar de carro. Os vizinhos já deixaram de entrar de carro para não dar defeito em nenhuma peça”, disse José Alberto Fernandes Campos, 50, auxiliar de tráfego.

Reparos

Em nota, a Seminf afirmou que realizou reparos de tapa-buracos nas ruas Boldo,  no bairro João Paulo, no fim de 2016, e que a rua Cônego José Monteiro de Noronha, no conjunto João Paulo 2, bairro Santa Etelvina, recebeu serviços de tapa-buraco, desobstrução de bueiros entupidos com lixo doméstico no fim do ano passado. Ainda em relação à rua Boldo, a Seminf reconheceu que a via necessita de drenagem profunda, desobstrução de rede de drenagem e recapeamento. “Já foi feito um levantamento na área e a via está na programação para receber infraestrutura no próximo mês” , diz a nota. Quanto às ruas do João Paulo 2, especialmente a Cônego José Monteiro de Noronha,  disse que foram executados serviços de tapa-buraco, desobstrução de bueiros entupidos com lixo doméstico. E que essa área foi mapeada para receber atendimento na segunda quinzena de abril.

Personagem: Agende de portaria, Frank da Silva

 “Já faz 4 anos que teve serviço de recapeamento da  rua Boldo. Nunca mais realizaram reparos. Se a rua chegou nesse estado é porque não tem reparo. Procurei o Marcos Rotta no Facebook. Ele passou a situação da nossa rua para a equipe dele. Eles passaram aqui num sábado à tarde e falaram pra mim que iriam fazer o serviço de recapeamento já na segunda-feira (em fevereiro). Mas se passaram os dias e no final de fevereiro esse mesmo funcionário reapareceu com o chefe dele. Daí prometeram para o final do mês de março e nada. Hoje já é dia 28 de março e nada deles aparecerem, e o IPTU já chegou, deu mais de R$ 300 para pagar. Na campanha Rotta veio aqui e disse que as vias estavam em perfeito estado. A rua principal foi asfaltada. Mas só ela e nem o serviço de meio fio fizeram. Por que ele não adentrou nas outras ruas?”

 


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.