Segunda-feira, 14 de Outubro de 2019
Manaus

Assaltantes fazem 11 pessoas reféns em consultório odontológico no Petrópolis

A ação começou por volta das 18h desta segunda-feira (2), quando três homens invadiram a clínica e fizeram 11 reféns. Eles se renderam por volta das 20h40



1.jpg Assaltantes de entregam à polícia
03/02/2015 às 16:48

CONFIRA GALERIA 

Após duas horas e meia de tensão e negociação a Polícia Militar conseguiu prender os três assaltantes que fizeram 11 pessoas reféns um consultório odontológico localizado na rua Bernardo Michiles, bairro Petrópolis, Zona Centro-Sul de Manaus. Dos três suspeitos que invadiram o local por volta das 18h desta segunda-feira (2), dois estavam armados com um revólver calibre 38, mas nenhum teve munições deflagradas. Eles só se entregaram às 20h40. Não houve feridos.

Suspeitos e vítimas foram conduzidos ao 3º Distrito Integrado de Polícia (DIP) para realização dos procedimentos investigativos. Um deles é Thiago Antony Wilkes Paes, 20, cuja mãe lhe telefonou e ajudou na negociação. Ele tem passagem pela polícia e cumpria pena no regime semiaberto. Os outros dois suspeitos foram identificados como Alessandro Marques, 36, e Antônio Oliveira Ribeiro Filho, 22.

Início da ação

O assalto começou por volta das 18h quando os três homens tomaram a clínica de assalto. Segundo o sargento Laércio, do Comando de Operações Especiais (COE), a unidade policial estava averiguando uma outra ocorrência na mesma rua na hora do ocorrido. "Eles notaram nossa presença e foi nesse momento que vimos um dos suspeitos na rua apontando a arma para um refém", disse o sargento.

O COE pediu apoio das Rondas Ostensivas Cândido Mariano (Rocam), do Grupo Força Especial de Resgate e Assalto (Fera), da Força Tática e da 3ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom) para ajudar na negociação com os reféns. O Grupamento Aéreo (Graer) também deu apoio com um helicóptero, para o caso de uma eventual fuga dos suspeitos, considerando que toda a área estava às escuras por conta de um transformador queimado. No total, cerca de 100 policiais militares participaram da ação.

As negociações foram tendo êxito e, por volta das 19h20, oito reféns, sendo seis mulheres, um homem e uma criança do sexo feminino de aproximadamente 11 anos, já tinham sido libertados.

A essa altura, a esposa de um refém chegou e começou a acompanhar a cena aflita. Ela ficara sabendo do ocorrido pela TV e foi correndo até o local. Pouco depois, a energia foi restabelecida na área e a mãe de Thiago chegou. Ela ligou para o filho para tentar convencê-lo a se entregar pacificamente. "Ninguém vai fazer nada contigo, não! Te entrega! Joga a arma, rapaz!", disse, exasperada.

Presença de advogado

Durante as negociações, os suspeitos condicionaram a libertação dos reféns à presença da imprensa. Depois da chegada dos jornalistas, os suspeitos pediram a presença do advogado Epitácio Almeida, presidente da Comissão de Direitos Humanos (CDH) da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Amazonas (OAB/AM), que chegou ao local por volta das 20h30.

Logo após a chegada de Epitácio, por volta das 20h40, eles liberaram os três reféns remanescentes, que foram atendidos por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). "Não houve resistência, eles só colocaram como exigência a presença da OAB e a integridade física deles. Eles se entregaram pacificamente, depuseram as armas, e serão encaminhados à delegacia e, posteriormente, à penitenciária", explicou o advogado.

Toda a ação foi acompanhada por uma profusão de moradores da área e curiosos de áreas próximas, que se reuniu nas proximidades da clínica, para descobrir qual seria o desfecho do assalto.

Na delegacia

No 3º DIP, Marcilene Seixas, uma das reféns, comentou que os bandidos chegaram agressivos, mas amainaram conforme a situação foi se desenvolvendo. "Eu estava numa consulta e foi bem tenso no começo. Eles apontaram uma arma para um amigo meu, bateram nele, disseram que queriam matar, mas depois eles ficaram tranquilos e não aconteceu mais nada. Estou aliviada", disse.

Após a oitiva dos reféns e do interrogatório dos suspeitos, as vítimas foram liberadas e o trio foi conduzido à Delegacia Especializada em Roubos, Furtos e Defraudações (Derfd), que conduzirá o restante das investigações.

"Pelo fato dos indivíduos terem praticado crime de roubo em concurso com sequestro, é interessante os mesmos serem ouvidos na Derfd, pois nós já temos informações que eles tenham participação em outros crimes", concluiu Adriano Félix, delegado titular da Especializada.

(Foto: Michael Dantas/Assessoria)


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.