Publicidade
Manaus
Manaus

Assaltos, ameaças e insegurança transformam escolas em locais sitiados em Manaus

Devido aos perigos constantes, grande quantidade de arames farpados foram colocados em unidade da Zona Leste da capital amazonense, que ganhou apelido infame 07/12/2014 às 20:25
Show 1
Apesar da Escola Estadual Maria Madalena Santana de Lima fica ao lado do 25º Distrito Integrado de Polícia (DIP) não é o suficiente para afastar ou inibir os casos de assaltos e brigas
Luana Carvalho Manaus (AM)

Localizada ao lado do 25º Distrito Integrado de Polícia (DIP), no bairro Armando Mendes, Zona Leste, a Escola Estadual Maria Madalena Santana de Lima foi apelidada por alunos e moradores da área de “Cadeia Raimundo Vidal Pessoa”, por causa da grande quantidade de arames farpados que cercam a unidade. A área é considerada “vermelha” por conta da incidência do tráfico de drogas no local. De acordo com moradores, nem a polícia intimida os vândalos.

“Todo dia tem briga aqui na escola. Existem muitos “galerosos” que também vendem droga e usam, principalmente no banheiro”, contou uma aluna do 1º ano do Ensino Médio. Uma vendedora ambulante que trabalha em frente a escola comentou que as cercas foram instaladas para evitar que os alunos fujam e para inibir a ação de vândalos, que invandiam a escola no final de semana para saquear e danificar o patrimônio.

“Agora deu uma melhorada, mas há uns anos era terrível. Bandidos entravam para roubar a escola e quebrar tudo. Hoje, tem muitas brigas entre os próprios alunos”, comentou a vendedora, que não quis ter o nome divulgado para evitar represálias.

Alunos relatam que  a violência nas escolas do bairro são constantes e até professores foram agredidos por alunos e outras pessoas que pularam o muro das escolas para agredir os professores.  Um dos estudantes que preferiu não se identificar revelou que no ano passado um professor foi vítima em sala de aula quando o pai de um dos alunos pulou o muro e agrediu o professor.

Roubos e furtos

Próximo à unidade, uma outra escola também encontra-se completamente cercada por arames farpados. A Escola Municipal Rui Barbosa de Lima atende crianças do Ensino Fundamental e já foi roubada algumas vezes, segundo a dona de casa Joana Soeiro da Silva, 37, tia de um aluno da unidade.


“Acredito que eles tenham cercado para evitar que os bandidos entrem e roubem as coisas da escola. Os alunos são crianças, não têm o hábito de fugir. Mas sei que já invadiram a escola e por isso cercaram”.

As duas escolas estão localizadas nas avenidas Rio Xingu e Itacolomi, no bairro Armando Mendes, zona leste. Além de uma delegacia, também existe um Batalhão da Polícia Militar próximo às unidades.

Zona Norte

Outra escola municipal cercada por arames farpados chama atenção de quem passa pela avenida Arquiteto José Henrique Bento Rodrigues, no bairro Monte das Oliveiras, Zona Norte. Ao lado também existe um Batalhão da Polícia Militar.


“Diziam que antes a quadra da escola era usada pelos policiais presos para jogos de futebol, mas isso faz alguns anos. Agora tem um novo diretor que está organizando todo o colégio”, contou a dona de casa Zulmira Alves, 42.

De acordo com Zulmira, a escola também já foi alvo de vândalos. “Eles invandiam a quadra para jogar bola, entravam nos banheiros e ainda tentavam arrombar as salas de aula”, relembrou. A unidade atende alunos do Ensino Fundamental.

Respostas

A Secretaria de Estado de Educação (Seduc) informou que o Governo do Estado implantou o Sistema Escolar Integrado de Vigilância do Amazonas (Seivam) com o objetivo de resguardar o patrimônio predial e zelar por uma maior segurança dos estudantes e docentes integrados à rede pública estadual de Educação.

Com o sistema todas as 240 escolas estaduais de Manaus passaram a contar com recursos que incluem monitoramento 24 horas por câmeras, centrais de alarme, agentes de portaria e demais aparatos de segurança.

A equipe de A CRÍTICA procurou a Secretaria Municipal de Educação (Semed) para falar sobre os números de roubos e arrombamentos nas escolas do município, mas até o fechamento desta edição não recebeu resposta.



Publicidade
Publicidade