Publicidade
Manaus
MAIS CARA

Aumento da tarifa do transporte já pesa no orçamento dos manauaras

Menos de uma semana depois do segundo reajuste na tarifa, usuários cortam gastos para pagar o transporte 03/03/2017 às 09:43 - Atualizado em 03/03/2017 às 12:01
Show 1200743
(Foto: Aguilar Abecassis)
Alik Menezes Manaus (AM)

Após dois reajustes seguidos na tarifa do transporte público da cidade, usuários começam a sentir o impacto no orçamento familiar e precisam abrir mão de costumes do dia a dia, como um lanche no fim da tarde, para tentar equilibrar o rombo que a nova tarifa fará no final do mês.

Aquele ditado popular que diz: “de grãos em grãos a galinha enche o papo” nunca fez tanto sentido para pessoas que utilizam diariamente o transporte coletivo de Manaus, mas às avessas. Isso porque o aumento de R$ 0,80 na passagem desde 28 de janeiro fará uma grande diferença no fim do mês na renda dos trabalhadores, apontam usuários.

A secretária Pamela Oliveira, 22, paga duas passagens por dia para ir ao trabalho e voltar para casa, durante seis dias da semana. Em um mês ela desembolsa R$ 182,40, enquanto que, quando a passagem custava R$ 3,00, o gasto mensal era de R$ 144,00. “Faz uma diferença muito grande no final do mês. Agora temos que evitar até lanchar na rua”, disse.

Pamela contou que, além dela, outras quatro pessoas da mesma família também gastam, em média, R$ 182,40, por mês, cada um. “O orçamento total no fim do mês fica bem prejudicado e esse é o nosso gasto programado. Se quisermos, por exemplo, sair todos juntos para um passeio fica até meio inviável. Vamos até evitar sair agora”, contou.

A estudante de Direito Estefane Santos Cunha, 18, também disse que a nova tarifa prejudica e muito o orçamento familiar. Apesar de pagar meia passagem, a jovem contou que os pais pagam passagem integral e ela, eventualmente, também precisa pagar a tarifa inteira. “Nem sempre os créditos da carteirinha dão para o mês todo porque tem o número de passes certo para ir e voltar da faculdade. Tudo que faço além da faculdade preciso pagar a passagem inteira, logo também sinto esse aumento da passagem”, disse.

Corta o lanche

Com a nova tarifa, até o lanche enquanto espera o ônibus ou uma saída para comer ficou prejudicada e pode ser cortada dos planos de muitos usuários do transporte público. Por mais barato que seja o lanche, no final do dia os passageiros sentem o impacto nas finanças. “O lanche nem é caro, sabe, mas eu prefiro segurar a fome e deixar para comer em casa mesmo, pois sei que vai faltar para pagar o ônibus em algum momento do mês”, lamentou o auxiliar de escritório João Victor Leão, 22.

Procura por emprego mais difícil

Recém graduada, a fisioterapeuta Ketllen Ferreira Costa, 23, desembolsa R$ 22,80 por dia para pagar seis ônibus que utiliza para procurar emprego e também para visitar apartamentos para alugar.

Desempregada, Kellen disse que o gasto faz uma enorme diferença. “O valor está muito alto, sem dúvidas é um absurdo se avaliarmos a frota que temos rodando na cidade”, disse.

Com o gasto a mais com a nova tarifa de transporte, Ketllen disse que teria como pagar um curso preparatório ou, até mesmo, uma pós-graduação. “Se colocar na ponta do lápis, sem dúvidas, teria grana suficiente para pagar um curso e me especializar mais ainda”, contou.

A fisioterapeuta também comparou a tarifa de Manaus com a de Fortaleza, por onde passou recentemente. Segundo ela, lá a tarifa custa R$ 3,30, e tem frota nova, em comparação com a de Manaus: os ônibus tem até ar condicionado. “Fiquei impressionada porque é uma tarifa menor que a nossa e você se locomove com mais conforto”, disse.

Reajuste questionado

O Tribunal de Justiça (TJ-AM) deve decidir, na terça-feira, sobre o pedido do Ministério Público Estadual e da Defensoria Pública do Estado pela proibição do aumento da tarifa. O prazo para que o Estado e Município se manifestem encerra na segunda-feira.

Publicidade
Publicidade