Publicidade
Manaus
Radares

Ausência de radares traz insegurança para pedestres e motoristas de Manaus

A ausência do equipamento é criticado pelos pedestres que passam diariamente por essas avenidas e convivem com o medo de possíveis acidentes 23/07/2016 às 05:00
Show radar
As avenidas de grande fluxo de veículos, como a das Torres, estão sem os equipamentos (radares) há quase dois anos (Foto: Márcio Silva)
acritica.com

Com a ausência dos radares de monitoramente em avenidas de grande fluxo de Manaus, motoristas estão trafegando em alta velocidade colocando em risco a vida de outros condutores e de pedestres.

Em avenidas como a Torquato Tapajós, próximo da empresa Philips, onde o limite de velocidade era de 60 km, os motoristas andam em alta velocidade. Na avenida Ephigênio Salles, a situação não é diferente, é comum ver os carros passarem em alta velocidade sem que haja preocupação do motorista com a cursa que há próximo de onde era instalado um radar, no qual o limite era de 40 km.

A falta desse monitoramento põe em risco a vida de milhares de pessoas todos os dias. Muitas dessas avenidas, como a Tarumã, na Zona Oeste, foram cenário de tragédias.

A ausência do equipamento é criticado pelos pedestres que passam diariamente por essas avenidas e convivem com o medo de possíveis acidentes. A empregada doméstica Carla Souza, 28, contou que tem medo de esperar o transporte coletivo para ir trabalhar em frente a Philips. “Eles correm muito, não se preocupam com a vida de ninguém. Imagina se eles perdem o controle? Tenho muito medo de  ficar nesse ponto de ônibus”, disse.

O técnico em segurança do trabalho Carlos Carvalho, 35, também critica a ausência de monitoramento eletrônico. “Eles só vão tomar providências quando alguma tragédia acontecer. Aliás, nem se acontecer porque são tantos acidentes que acontecem aqui nessa área”.

A cidade está sem o equipamento há quase dois anos. No ano passado, a Prefeitura de Manaus abriu processo licitatório para a contratar uma empresa para instalar os equipamentos. O consórcio Manaus Seguro venceu a licitação, mas por suspeitas de irregularidades no processo o contrato não foi assinado e o diretor do Manaustrans, Paulo Henrique Martins, pediu exoneração do cargo.

O Manaustrans informou que o processo de licitação dos radares ainda está sendo analisado pelo Tribunal de Contas e que os procedimentos para a implantação dos equipamentos serão retomados após a Justiça liberar a documentação.

Equipamentos serão instalados

O Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Trânsito (Manaustrans) informou que  os equipamentos serão instalados nos principais corredores de tráfego da cidade. Ainda de acordo com o órgão, o contrato com a empresa Consladel foi encerrado porque o período de vigência terminou.

Publicidade
Publicidade