Domingo, 13 de Outubro de 2019
Manaus

Banana é o item mais caro da cesta básica em Manaus

De acordo com o Dieese, em Manaus o aumento foi de 4,22%, ocupando a 11° posição entre as 18 capitais pesquisadas



1.jpg A cheia recorde do rio Madeira em 2014, que prejudicou a produção de banana, é apontada como fator determinante na alta da cesta básica, em Manaus
01/02/2015 às 21:51

Em 2014, a cesta básica de Manaus aumentou 4,22%, ficando na 11° colocação entre as 18 capitais pesquisadas pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Apesar da alta, no mês de dezembro, a cesta, que ficou em R$ 320,70, fechou o ano com valor menor do que o do mês de janeiro de 2014, quando o custo da cesta era de R$ 323,22. Entre dezembro de 2013 e 2014, a banana foi o item que mais aumentou de preço (25,02%) e a farinha de mandioca foi o alimento com a maior retração (-40,21%).

De acordo com o supervisor técnico do Dieese, Inaldo Seixas, o aumento no preço da banana foi consequência da cheia recorde do rio Madeira no ano passado, que isolou regiões que importam a fruta para o Amazonas. “Nós tivemos problemas sérios aqui de enchente, em 2014 a cheia do Rio Madeira atrapalhou o transporte da banana que vem de outros Estados, e que pela estrada não podia passar. O Acre, por exemplo, ficou isolado e, com isso, houve diminuição da oferta”, explicou.

Enquanto isso, a farinha, um dos alimentos mais consumidos pelos amazonenses, foi o que apresentou maior retração no mesmo período: -40,21%. Entre as causas para essa diminuição em 2014, após um período com os preços em alta,  está a melhora na produção do alimento.

“Em 2012 começou o período de sequia e isso interferiu no transporte da fécula da mandioca. E os movimentos climáticos diminuíram a oferta e teve essa subida muito forte. Depois o preço começou a se acomodar pela melhora da produção aqui e, com isso, quando você começa a normalizar a oferta desse produto, com a normalização da oferta, os preços então cederam”, explicou Seixas.

Outros alimentos que apresentaram aumento foram o tomate (13,67%), a  carne (11,89%), o café (8,64%), o arroz (8,48%), o pão (6,10%) e o leite (3,77%). Em contrapartida, o  feijão (-33,78%), o óleo de soja (-2,81%), o  açúcar (-1,09%) e a manteiga (-0,25%) foram os itens da cesta que apresentaram maiores retrações  em 2014.

Custo

Em dezembro de 2014, um trabalhador precisou trabalhar 97 horas e 27 minutos, cerca de cinco dias no mês, para conseguir comprar os itens básicos da cesta, tempo menor do que as 99 horas e 51 minutos exigidas no mesmo período de 2013.

Com base no salário mínimo, os 320,70 da cesta básica comprometeram 48,15% do recebido em dezembro. Em novembro, 46,75% do salário foi comprometido e, em dezembro de 2013, foi 49,33%.

Fim de ano

Comparando o valor da cesta básica entre os meses de novembro e dezembro, a cesta manauara apresentou o quinto maior aumento no País, (2,98%), sendo superada a apenas por Salvador (4,73%), Recife (4,35%), Natal (3,78%), Natal (3,78%) e Rio de Janeiro (3,73%).


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.