Publicidade
Manaus
SEM LICENÇA MUNICIPAL

Especialista alerta para risco à saúde de banhistas do Viver Melhor

Balneário frequentado por moradores não tem licenciamento junto aos órgãos ambientais competentes 03/05/2017 às 05:00 - Atualizado em 03/05/2017 às 08:53
Show viver melhor
De acordo com o presidente da comunidade, Nonato Serafim, o objetivo da barreira improvisada é separar o esgoto do igarapé (Foto: Clóvis Miranda)
Silane Souza Manaus (AM)

Os banhistas que frequentam o “Balneário do Viver Melhor”, no conjunto residencial Viver Melhor, bairro Santa Etelvina, Zona Norte, põem em risco a própria saúde ao tomar banho no local. É que o balneário não tem licenciamento junto aos órgãos ambientais competentes e, consequentemente, não há nenhuma segurança sobre a qualidade de suas águas. A observação é da chefe da Vigilância de Água, Solo e Ar da Secretaria Municipal de Saúde (Semsa), Jocilene Galucio. 

Ela afirmou que um balneário sem as devidas licenças dos órgãos públicos e análises de balneabilidade, que avalia se a água está própria para banho, pode se tornar um problema para a saúde pública. “Se a água estiver contaminada, no momento em que a pessoa tomar banho, há o risco de ela pegar doenças parasitárias e até mesmo hepatites. E como não foi feita análise de balneabilidade pelos órgãos de meio ambiente, esse risco existe”, destacou.

Jocilene ressaltou que a maioria dos igarapés de Manaus está contaminada ou com risco de contaminação. Não tem água própria para balneabilidade que não seja a Ponta Negra, na Zona Oeste. “Nem sempre quando a água está limpa quer dizer que ela não está contaminada”, lembrou ao se referir sobre o “Balneário do Viver Melhor”, onde a água limpa se mistura com a água do esgoto que cai dentro do igarapé. Isso acontece quando chove, visto que o muro de contenção improvisado pelos moradores para separar as duas águas não suporta a pressão. 

Vistorias

A Manaus Ambiental informou que uma equipe técnica foi deslocada para realizar vistorias técnicas no conjunto habitacional Viver Melhor para verificar a situação do esgoto que deságua dentro do igarapé. Caso seja detectado qualquer problema sob a responsabilidade da concessionária, a empresa tomará as providências em caráter de urgência para solução do caso.

A Manaus Ambiental informou ainda que disponibiliza os canais de atendimento 24h por dia para dúvidas e informações. Os números são: 0800 092 0195 (SAC), 3627-8360 (SAC/Outras localidades) e o e-mail: faleconosco@manausambiental.com.br.

Já o Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) informou que, até o momento, não tinha conhecimento sobre o balneário que funciona no residencial Viver Melhor. A instituição esclareceu que balneário sem licenciamento é uma atividade irregular, pelo seu potencial de poluição. “A fiscalização do Ipaam irá até o local para averiguar o caso e tomar as providências cabíveis em breve”, disse em nota.

Conforme o Ipaam, algumas ações foram realizadas na área do Viver Melhor, no âmbito do Grupo Integrado de Prevenção às Invasões em Áreas Públicas no Estado (Gipiap), pois, por se tratar de uma área de invasão, requer um cuidado especial na abordagem da fiscalização.

Engenharia comunitária  foi apenas  na base do improviso

Moradores do conjunto residencial Viver Melhor 2, no bairro Santa Etelvina, Zona Norte,  tentam, com uma engenharia criativa, salvar parte do igarapé que corre próximo ao local e torná-lo uma opção de lazer para a comunidade, por meio do “Balneário do Viver Melhor”.

De acordo com o presidente da comunidade, Nonato Serafim, o grande problema do local era o esgoto do residencial que desaguava no igarapé. Mas, com blocos de cimento, sacos de areia e muito trabalho, os moradores conseguiram separar a água do esgoto das águas limpas do igarapé. 

O muro criou um caminho para que o esgoto seguisse o rumo, sem se misturar com a água limpa. No entanto, quando chove, a força da água é muito grande e nem o muro e o rip rap conseguem contê-la. Água e esgoto acabam se misturando porque a obra não suporta a demanda, uma vez que foi feita sem licença dos órgãos competentes. 

Ao lado do “Balneário do Viver Melhor” existe outro banho, chamado “Bosque Águas Frias”, que também apresenta o mesmo problema.

 

Publicidade
Publicidade