Publicidade
Manaus
OPERAÇÃO

Barracos são retirados de invasão em Área de Proteção Ambiental, no Tarumã

Invasores estavam ocupando novamente um terreno na extinta invasão José de Alencar, às margens do Igarapé do Mariano 22/11/2018 às 16:52
Show 45954243032 bbdd666298 z 063b7ae4 9744 4119 9822 d7b283347176
Foto: Divulgação
acritica.com Manaus (AM)

Vinte e oito armações de barracos que estavam sendo erguidos em uma Área de Proteção Ambiental (APA) no bairro Tarumã, na Zona Oeste, foram retiradas na manhã desta quinta-feira (22). Segundo a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas), os invasores estariam voltando para um terreno da extinta invasão José de Alencar, às margens do Igarapé do Mariano.

A tentativa de reocupação ocorre sete anos depois da grande operação de retirada ocorrida no local. Na época, segundo a Semmas, mais de 3 mil barracos foram demolidos. Desta vez, o órgão tomou conhecimento da invasão por meio de denúncia, o que fez o número de focos de invasão subir para 31 somente em 2018.

Invasão  

A extinta invasão José de Alencar foi retirada durante uma megaoperação realizada em junho de 2011. Na época, os invasores ocuparam uma área de aproximadamente 310.197 metros quadrados, o equivalente a 32 hectares ou 37 campos de futebol. Atualmente, segundo a Semmas, o local já se encontra com a vegetação regenerada e as margens do igarapé intactas. 

Ao serem abordados pelos fiscais, os invasores disseram ser oriundos de comunidades vizinhas, situadas na margem oposta do igarapé. Não houve reação por parte dos ocupantes. A ação contou com o Batalhão de Policiamento Ambiental e a Força Tática da Polícia Militar, além de representantes da Superintendência Estadual de Habitação (Suhab).

Apesar de ser particular, o terreno está situado na APA Tarumã-Ponta Negra, com Área de Preservação Permanente (APP) do igarapé do Mariano. Durante dois dias, a fiscalização da Semmas esteve no local e constatou a presença de veículos. O monitoramento continuará sendo feito pelo Batalhão Ambiental, conforme determinação do coronel Jorge Alves, comandante da corporação.

Publicidade
Publicidade