Publicidade
Manaus
INCÊNDIO

Bombeiros acreditam que incêndio em galpão no Petrópolis foi provocado por criminosos

O local foi atingido por dois incêndios nessa quinta-feira (3). As atividades da corporação seguiram durante toda a madrugada e manhã de hoje 04/08/2017 às 08:16 - Atualizado em 04/08/2017 às 09:00
Amanda Guimarães Manaus (AM)

Entre faíscas e tijolos queimados, o Corpo de Bombeiros continuo os trabalhos de rescaldo no início da manhã desta sexta-feira (4), no galpão abandonado usado para guardar entulho na Rua Nova Olinda, bairro Petrópolis, na Zona Sul de Manaus. O local foi atingido por dois incêndios nessa quinta-feira (3). As atividades da corporação seguiram durante toda a madrugada e manhã de hoje.

O capitão do Corpo de Bombeiros, Janderson  Lopes, destacou que a corporação deve abandonar o local ainda na manhã de hoje. "Estamos fazendo o rescaldo. Graças ao trabalho que desenvolvemos durante toda a noite. Inundamos toda a área aqui. Vamos abandonar o local ainda nessa manhã", disse.

A corporação acredita que o incêndio foi criminoso. "Os populares nos falaram que o local é utilizado por usuários de drogas. Acreditamos que tenha sido criminoso sim, pois pela manhã fomos acionados para combater um princípio de incêndio em um cômodo. Pela tarde formos acionados novamente para outra ocorrência", ressaltou.

Agora o proprietário do galpão deve comandar as investigações sobre o acidente. "Normalmente quando acontece ocorrências assim quem se preocupa em encontrar o culpado é o proprietário, mas ele não apareceu no local. Nem entrou em contato com a gente", completou o capitão.


Local foi atingido por um incêndio de grandes proporções (Foto: Antonio Lima)

Aulas interrompidas

Por conta dos trabalhos, a via Nova Olinda foi parcialmente interditada. O Instituto Batista Educacional Ester (IBEE) também teve as aulas suspensas na manhã de hoje por conta da ocorrência. A unidade de ensino fica ao lado do galpão e atende estudantes da Educação Infantil nível I, II e III e Ensino Fundamental ao 1 ao 9 ano.

"Os alunos foram liberados, não tem condições eles assistirem aula desse jeito. Estávamos avisando que esse incêndio poderia acontecer, porque há três anos o prédio está desocupado. O pessoal utiliza esse local para colocar lixo. O proprietário nunca se preocupou com essa situação", disse o secretário financeiro e publicitário do IBEE, José Vitor da Silva, 22.

Para ele, os incêndios foram provocados por criminosos. José afirma que o local é alvo de outras ocorrências desde o início do ano.

Publicidade
Publicidade