Quarta-feira, 08 de Abril de 2020
Manaus

Cachorro morre após ser atingido por tiro de PM em frente de casa

Sem nenhum motivo aparente, policial militar do Ronda no Bairro sacou a arma e matou o animal com um tiro na cabeça 



1.jpg “Branquinho” estava na frente da casa da sua dona, Maria Barbosa Bastos
13/04/2015 às 09:38

Um cão foi assassinado com um tiro na cabeça na manhã deste domingo (12) por um policial militar. O animal, chamado de “Branquinho” estava na frente da casa da sua dona, a autônoma Maria Barbosa Bastos, 50, moradora da rua Tereza Dávila, bairro Santa Etelvina, Zona Norte, e morreu na hora. A ação do policial foi filmada por câmeras de segurança particular e será levada à Corregedoria Geral da Secretária de Segurança, onde a dona do animal vai denunciar o soldado “mata cachorro”.

O assassinato do cão foi presenciado por vizinhos da mulher que ficaram indignados com a ação do policial. De acordo com testemunhas, o cachorro estava próximo a calçada onde estava um neto de Maria, de cinco anos de idade e outro de oito meses de idade que estava em uma rede, quando apareceu uma viatura, segundo os vizinhos, do programa de segurança pública Ronda no Bairro.



Moradores relataram que a viatura tinha acabado de estacionar em frente a uma distribuidora de bebidas, onde costumam visitar depois de uma noite de festa no comércio. Ao passar em frente à casa da autônoma, um dos policiais que estava na viatura puxou a pistola e atirou contra o cachorro acertando a cabeça do mesmo que morreu na hora.

Os moradores não tiveram tempo para anotar a placa da viatura. A dona do cão ficou abalada emocionalmente chorou muito e os vizinhos revoltados com o ato covarde do policial que, segundo eles, colocou em risco a vida das crianças que estavam próximas ao cão.

A bala poderia ter ricocheteada no asfalto e atingido uma das crianças. “Aí eles (os policiais) iriam dizer que atiraram em um traficante”, disse um dos moradores que preferiu não se identificar temendo represálias.

A bala que atravessou o corpo de Branquinho foi recolhida pela família e será levada para a corregedoria.

A dona do animal disse que embora não fosse um cão de raça, ele era dócil, bem tratado e era o seu companheiro e todos os vizinhos gostavam dele. “ Ele estava sempre por perto quando e era o meu cão de guarda”, disse a mulher.

Familiares da autônoma telefonaram para o 28º Distrito integrado de Polícia (Dip) no bairro Novo Israel, e foram informados que a área onde aconteceu o crime era do 26º Dip, mas que iria comunicar o ocorrido para o 190. Segundo as testemunhas, minutos depois a mesma viatura, parou na esquina da rua e em seguida foi embora sem se aproximar.

A lei

De acordo com a legislação, quem mata um animal, seja ele um cachorro ou não, comete um crime. É o que diz o artigo 32 da Lei dos Crimes Ambientais, de 1998. A lei prevê detenção de três meses a um ano, além de multa, para quem praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar qualquer tipo de animal. Se houver a morte do bichinho, a pena aumenta até um terço. Quem praticar experiência dolorosa ou cruel em animal vivo, ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos também pode sofrer a mesma condenação.

Culpado pode ser punido

O comandante geral da Polícia Militar, coronel Gilberto Gouvêa garantiu que o caso será apurado. Segundo ele, serão instaurados uma sindicância e um Inquérito Policial Militar (IPM). Caso fique comprovada a morte do animal, o policial será punido e as informações colhidas serão encaminhadas para as autoridades competentes.



Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.