Publicidade
Manaus
POLÍTICA

Caixa 3: ‘Não houve crime, foi tudo declarado’, diz Eron em defesa de Vanessa

Vanessa Grazziotin não se pronunciou ainda sobre a denúncia de “caixa três”. Eduardo Braga, por sua vez, afirma que não solicitou doações em favor da candidatura de Grazziotin à prefeitura em 2012 01/02/2019 às 18:48
Show vanessa 123 3ed09f3c d5c7 452d a95e 56c096f5c244
Foto: Reprodução/Internet
Wal Lima Manaus (AM)

Após a Procuradoria Geral da República (PGR) denunciar a senadora Vanessa Grazziotin (PcdoB) por suspeita de crime eleitoral de “caixa 3”, o presidente do diretório estadual do PCdoB, Eron Bezerra, resumiu a situação como um verdadeiro “caça às bruxas”, tendo em vista que todo o dinheiro foi declarado e recebido de forma legal na época.

“É lamentável uma matéria desta, onde, o próprio delator (Fernando Ayres Reis) alega que não teve qualquer tipo de relação com a senadora. Nós ainda anexamos na contestação dele as comprovações de que recebemos o dinheiro de forma legal”, disse Eron.

Assim como Grazziotin, Eduardo Braga (MDB), também foi denunciado pela PGR por “caixa três”. O suposto crime, conforme os autos assinados pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, são pelas doações de R$ 700 mil e R$ 1,65 milhão, respectivamente, durante as eleições municipais de 2012, declarados com origem da empresa Praiamar, mas que segundo a procuradoria, teriam como real doadora a empreiteira Odebrecht.

Em nota, o senador Eduardo Braga afirmou que não tem nenhuma responsabilidade sobre a prestação de contas da então candidata Vanessa Grazziotin ou de qualquer outro candidato no pleito municipal de 2012.

Ele sustenta que não solicitou doações em favor de nenhuma candidatura. “Não tratou de financiamento eleitoral com nenhuma empresa ou pessoa física. Esses fatos foram devidamente esclarecidos no inquérito policial em que o senador Eduardo Braga foi ouvido como simples testemunha. O inquérito, aliás, nem chegou a ser concluído. Por isso, a medida da Procuradoria-Geral da República (PGR) é precipitada e profundamente injusta no tocante ao senador Eduardo Braga. Além disso, não encontra apoio em nenhum elemento de informação constante dos autos do inquérito conduzido pela Polícia Federal”, diz em nota.

A reportagem tentou entrar em contato com a assessoria de imprensa da ex-senadora Vanessa Grazziotin, mas não obteve sucesso até a publicação desta matéria. 

Publicidade
Publicidade