Quinta-feira, 22 de Agosto de 2019
Manaus

Camelôs voltam a trabalhar ilegalmente no Centro de Manaus

Na semana passada, a Semex notificou os vendedores pelo comércio ilegal e pela apropriação indevida de vagas de estacionamento. Os ambulantes burlaram a ordem e voltaram a trabalhar informalmente



1.jpg Na esquina das ruas Quintino Bocaiuva e Doutor Moreira, vendedor de cocos deixou em casa a picape que usava e voltou a trabalhar com um isopor na calçada
16/02/2013 às 09:06

Os mesmos vendedores que foram retirados de ruas do Centro, há duas semanas, pela Prefeitura de Manaus, por comercializar produtos irregularmente em automóveis, recorreram “ao jeitinho brasileiro” para driblar a fiscalização e voltar aos locais de origem.

Na semana passada, a Secretaria Municipal Extraordinária para Requalificação do Centro (Semex) notificou estes vendedores pelo comércio ilegal e pela apropriação indevida de vagas de estacionamento. A ocupação impede que as vagas de estacionamento que deveriam ser rotativas sejam usadas por outra pessoa, além do vendedor informal.

Como não poderiam mais vender os produtos em veículos chamados pela secretaria de “carros-loja”, a alternativa para fugir da fiscalização foi ocupar as calçadas, como fazem os “camelôs históricos”. A partir do impedimento, os vendedores passaram a comercializar os produtos de forma improvisada em caixas e isopor sobre a calçada.

Na esquina das ruas Quintino Bocaiúva e Doutor Moreira, por exemplo, o vendedor de cocos que comercializava o produto em um carro e foi notificado pela prefeitura, voltou para o local e passou a vender o coco em um isopor colocado sobre a calçada. Na rua Barroso com Saldanha Marinho, onde o Instituto Municipal de Trânsito (Manaustrans) guinchou um carro, modelo Parati, de placas JWF 5955, ao parqueamento do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-AM) que estava parado no local há dois anos, hoje a vaga é ocupado por uma motocicleta usada também para a venda de produtos. A Parati era usada para a venda de pães integrais, doces e bolos. O dono da motocicleta comercializa os mesmos itens em uma caixa equilibrada sobre o veículo de duas rodas.     

Na mesma rua, a dona da Parati, Edilene da Costa Braga, continua comercializando os produtos em um carro modelo Kombi, logo depois da biblioteca pública.

A fiscalização realizada pela Semex ocorreu no dia 4 deste mês. Na ocasião 40 casos de comércio irregular em carros foram identificados no Centro. Durante a ação, que contou a participação do titular da pasta, Rafael Assayag, os proprietários de dez veículos foram notificados, cinco multados pelo Instituto Municipal de Fiscalização e Engenharia de Trânsito (Manaustrans) e dois removidos pelo mesmo órgão.

Fiscalização

A ação percorreu as ruas Guilherme Moreira, Quintino Bocaiúva, Doutor Moreira, Barroso, Saldanha Marinho, Joaquim Sarmento, Lobo D’Almada e as avenidas Sete de Setembro, Eduardo Ribeiro e Epaminondas, todas locais de concentração deste tipo de comércio ilegal e informal.

O primeiro dia de fiscalização teve caráter educativo, mas conforme Assayag informou na ocasião, a partir dos segundo dia seriam adotadas medidas punitivas que incluiam multas e apreensão de mercadorias em caso de reincidência. O procedimento está amparado pela Lei n° 674, que regulamenta as atividades dos vendedores ambulantes.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.