Domingo, 23 de Janeiro de 2022
Manifestação

Caminhada das Mulheres contra o feminicídio acontece nesta quinta, em Manaus

Mobilização, que pretende chamar a atenção da sociedade para o aumento alarmante dos casos de feminícidio durante a pandemia, acontece a partir das 16h, na Praça do Congresso



mata_8E4B5F2A-6FF9-4776-A357-CFBDF36B8C5D.jpg Foto: Divulgação
24/11/2021 às 20:12

Em um ato de revolta contra o feminicídio no Brasil e exigindo o seu fim, manifestantes se mobilizam nesta quinta-feira (25) em Manaus para a ‘Caminhada das Mulheres Contra o Feminicídio’. A mobilização, que pretende chamar a atenção da sociedade para o aumento alarmante dos casos de feminícidio durante a pandemia, acontece a partir das 16h, na Praça do Congresso, no Centro da capital amazonense.

Articulado em todo o país, o movimento ‘Levante Feminista Contra o Feminícidio’ está presente em pelo menos 23 estados brasileiros, e tem como objetivo sensibilizar e mobilizar a sociedade, chamando a atenção para o tema da campanha. Para a atriz e militante feminista, Socorro Papoula, que integra a coordenação do movimento, a campanha se faz mais do que necessária diante do crescimento de feminicídios nos últimos dois anos.



“A gente tem como objetivo enfrentar e combater os feminicídios de mulheres no Brasil, denunciar, dar visibilidade às mortes de mulheres e o significado disso para a sociedade brasileira. Além de promover um debate permanente com a sociedade, seja presencial, virtual, articulando com outros públicos, com a mídia alternativa, e chamar a atenção do poder judiciário para a morosidade dos julgamentos de feminicídio, que é uma das coisas que mais demoram, as punições custam”, explicou a atriz.

Segundo Socorro Papoula, as campanhas contra o feminicídio no Brasil vêm acontecendo desde o início do ano. Em março, o movimento lançou a campanha ‘Nem Pense em nos Matar’, após ter sido constado, em dezembro, o aumento significativo nos casos de violência contra a mulher, principalmente de feminicídio. No primeiro semestre de 2020, segundo o movimento, foram mortas 648 mulheres brasileiras, a maioria negra e vivendo em duríssima desigualdade social. 

No total, foram 1.350 feminicídios em 2020, 0,7% a mais do que em 2019. Destes, 61,8% das vítimas eram mulheres negras, em 81,5% dos casos os responsáveis eram os companheiros ou ex-companheiros, 55,1% dos casos foram com armas brancas, e as vítimas em 74,7% dos casos tinham de 18 à 44 anos, segundo dados divulgados pelo Levante Feminista Contra o Feminicídio.

“Em janeiro e fevereiro nós começamos a discutir isso, e em março nós lançamos a campanha. A gente vem construindo as campanhas, fazendo debates, rodas de conversa, levando documentos para as autoridades... É uma campanha combativa, feminista, de esquerda, antirracista, anti-LGBTfóbica, anticapitalista, contra o machismo e o patriarcado, e todas as suas formas de manifestação”, disse a atriz.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.