Sexta-feira, 22 de Novembro de 2019
Manaus

Campanha da Fraternidade quer intensificar a participação da igreja na reforma política

Neste ano, a campanha pretende, principalmente, intensificar a participação da igreja na reforma política brasileira



1.jpg Dom Sérgio Castriani comentou a criminalidade em Manaus e disse que uma mudança social é necessária
05/02/2015 às 21:13

“O filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate por muitos” (Marcos 10:45). O versículo  inicia o texto base da Campanha da Fraternidade 2015, que tem como tema “Fraternidade: igreja e sociedade” e  lema “eu vim para servir”. Neste ano, a campanha pretende, principalmente, intensificar a participação da igreja na reforma política brasileira.

“Há situações escandalosas no Brasil. Como se explica um país cristão, onde praticamente 90% da população brasileira professa a fé em Jesus Cristo, ser tão violento, tão corrupto, tão injusto e que persista em situações de imoralidade e corrupção?”, questionou o arcebispo de Manaus, Dom Sérgio Castriani, durante lançamento da campanha, na manhã de ontem.



 Há pelo menos um ano que a igreja católica integrou a “Coalização pela Reforma Política Democrática e Eleições Limpas”, que propõe mudanças como a proibição de financiamento de candidatos por empresas e adoção do sistema eleitoral “voto transparente”.

Os debates e assinaturas do abaixo-assinado serão intensificados durante a Quaresma nas paróquias. “A fé deve transformar nossa vida e nosso comportamento. Me parece  que é o grande momento de consciência para saber até que ponto nossas instituições, poderes constituídos, organizações sociais e igrejas estão, de fato, a serviço da população, da humanidade, das pessoas que sofrem, dos excluídos, pobres, daqueles que não têm voz e não têm vez. Este é o grande objetivo da campanha este ano: as relações de sociedade e fé”, enfatizou Dom Sérgio.

Criminalidade

Durante o lançamento, o arcebispo também comentou os índices de criminalidade em Manaus. “Temos que nos perguntar, por exemplo, por que  Manaus, que é  uma cidade extremamente religiosa, é tão violenta. Por que bairros cheios de igrejas são tão violentos? Por que nós não conseguimos mudar nossa juventude? Estamos em uma cidade em que executam pessoas e a campanha  é um apelo pra que nossa fé transforme atitudes”, ratificou.

Neste ano, pretende-se recordar a vocação e missão dos cristãos a partir do diálogo e colaboração entre igreja e sociedade, propostos pelo Concílio Ecumênico Vaticano 2. Todas as doações arrecadadas serão destinadas ao Fundo Nacional de Solidariedade, de onde serão distribuídas para obras de caridade.

História

A Campanha da Fraternidade é realizada anualmente pela Igreja Católica Apostólica Romana, sempre no período da Quaresma. A cada ano é escolhido um tema, que define a realidade a ser transformada, e um lema, que explicita  a direção da transformação. A campanha é coordenada pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB).

Em Manaus

A abertura oficial da Campanha da Fraternidade 2015 será na quarta-feira de cinzas, dia 18 de fevereiro, às 9h, durante celebração na Catedral Metropolitana de Manaus, no Centro. O encerramento será dia  no Domingo de Ramos (7 dias antes da Páscoa), mas de acordo com o coordenador de pastoral da Arquidiocese, padre Geraldo Bendaham, todas as celebrações religiosas do ano devem girar em torno do lema da campanha.

 Material de apoio

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) disponibilizou materiais para divulgação da campanha, bem como o texto base, no site www.cnbb.org.br/publicacoes.  O cartaz da campanha deste ano retrata o Papa Francisco lavando os pés de um fiel na quinta-feira santa do ano passado. A igreja atualiza o gesto de Jesus Cristo ao lavar os pés de seus discípulos, retratando a expressão de amor capaz de levar uma pessoa a entregar a vida pelo outro.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.