Domingo, 19 de Maio de 2019
SAÚDE

‘Dia D’ de vacinação contra Influenza H1N1 acontece neste sábado (30) no AM

Na capital serão disponibilizadas 200 salas de vacinação distribuídas entre Unidades Básicas de Saúde (UBS), Centros de Atenção Integral à Criança (CAICs), Exército e clínicas particulares



vacina_DF316163-1DE3-4F06-A17D-3CCCDDA2D9E3.JPG
Foto: Jair Araújo
28/03/2019 às 21:00

 O “Dia D” da campanha de vacinação contra a gripe será realizada amanhã em Manaus e no interior, das 8h às 17h. Na capital serão disponibilizadas 200 salas de vacinação distribuídas entre Unidades Básicas de Saúde (UBS), Centros de Atenção Integral à Criança (CAICs), Exército e clínicas particulares. Só este ano, o Amazonas já registrou 31 mortes causadas pelo vírus H1N1.

De acordo com o informe Epidemiológico da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), da Sala Municipal de Vigilância em Saúde, em Manaus, até a última quarta-feira, já haviam sido vacinadas 291.173 pessoas, o equivalente a 63,98% do total estimado pelo Ministério da Saúde (MS), de 455.083. A meta estabelecida pelo MS é imunizar 90% deste total, o que representa 409.574 pessoas.

Ainda segundo o informe, o grupo das grávidas requer atenção redobrada porque continua sendo o de menor percentual de vacinação, 43%. O grupo de crianças de seis meses a menores de seis anos também terá intensificação na vacinação porque só foram imunizadas 114.014 das 191.678 crianças que precisam receber a dose.

Em contrapartida, os grupos de professores e idosos registram os maiores números percentuais de imunização, 84,09% e 74,90%, respectivamente. “É importante que as pessoas que estão nos grupos de risco compareçam aos postos para tomar a vacina. Estamos trabalhando para ultrapassar a meta estipulada pelo Ministério da Saúde. Queremos, no mínimo, 100%, e vamos conseguir antes do prazo estabelecido de 15 dias para que todos estejam imunizados”, aposta o titular da Semsa, Marcelo Magaldi.

Além dos postos de vacinação ofertados pela rede municipal, em Manaus, o supermercado Nova Era vai disponibilizar as unidades dos bairros Flores e Compensas como posto de imunização contra a Influenza A (H1N1).

Cartão de vacina

Para receber a dose da vacina, é importante levar o Cartão de Vacinação e um documento de identificação. Pessoas com doenças crônicas ou com outras condições clínicas especiais deverão apresentar, também, prescrição médica especificando o motivo da indicação da vacina.

Pacientes cadastrados em programas de controle das doenças crônicas do SUS deverão se dirigir aos postos em que estão registrados para receberem a dose, sem necessidade de prescrição médica. Para os profissionais do público prioritário, basta apresentar o contracheque ou crachá.

No interior

Já no interior, de acordo com a Secretaria de Estado da Saúde (Susam), serão disponibilizadas 1.352 salas de vacinação distribuídas entre os 61 municípios. No “Dia D”, as imunizações ocorrerão de 8h às 17h, assim como nos dias da semana. A programação bem como as estratégias de ampliação da vacinação nesse dia é de competência de cada um dos municípios.

Grupo de risco

Segundo a Semsa, fazem parte do considerado grupo de risco  crianças de seis meses a cinco anos; gestantes; mulheres em resguardo (até 45 dias após o parto); trabalhadores de saúde; povos indígenas; indivíduos com 60 anos ou mais de idade; internos do sistema penitenciário; funcionários do sistema prisional; e professores da rede pública e privada.

Também integram esse grupo as pessoas com doenças crônicas não transmissíveis; soropositivos; pessoas com outras condições clínicas especiais como doença respiratória crônica, doença cardíaca crônica, doença renal crônica, doença hepática crônica, doença neurológica crônica, diabetes, imunossupressão, obesos, transplantados e portadores de trissomias (Síndrome de Down, Síndrome de Edward, Síndrome de Patau, Síndrome de Warkany).

Sem mortes há cinco dias

O Amazonas segue há cinco dias sem novos registros de morte por H1N1, segundo a 14ª edição do Boletim Epidemiológico da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), divulgado na última quarta-feira. O número de óbitos não sofreu alteração desde a última morte divulgada na sexta-feira passada, dois dias depois do início da campanha de vacinação. No último boletim foram detectados 119 positivos para a gripe H1N1  e 163 para Vírus Sincicial Respiratório (SRV) no Estado.

O número de mortes por H1N1 estagnou em 31 casos: 24 em Manaus, três em Manacapuru, uma em Parintins, uma em Itacoatiara, uma em Japurá e uma em Urucurituba.

Alerta para grávidas e crianças

De acordo com Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), dados parciais da campanha de vacinação contra a gripe no Estado apontam que 349.273 pessoas já foram imunizadas.  O balanço é parcial porque, conforme a FVS,  o sistema do Ministério da Saúde (MS) ainda não está disponível para inserir as informações atualizadas, mas a fundação destacou que todas as secretarias municipais de Saúde estão em pleno andamento da campanha.  

A diretora-presidente da FVS, Rosemary Costa Pinto, fez um chamamento em especial aos pais de crianças menores de seis anos, grávidas e mulheres que tiveram bebês até 45 dias que compareçam as unidades de saúde para vacinação.

“Foi um esforço coletivo entre as esferas de governo para conseguir de forma inédita no Estado antecipar a campanha nacional de vacinação contra a gripe, portanto, é fundamental a adesão deste grupo prioritário que desenvolve  formas graves da doença e nestes primeiros dias, percebe-se que entre os grupos prioritários, a menor adesão são destes três categorias, sendo que já foram confirmados óbitos em crianças menores de cinco anos, mulheres grávidas e puérperas”, alertou.

Rosemary acrescenta que a vacina é mais uma forma de prevenção,  porém ressalta a necessidade de manter em vigor as outras medidas prevenção como lavagem das mãos com maior frequência, uso de álcool gel e beber bastante água.

Ontem, a FVS realizou a atualização do cenário epidemiológico de Síndrome Respiratória Aguda Grave, para 105 profissionais que atuam na rede de assistência estadual.

Durante a apresentação dos dados, a diretora-presidente salientou a importância de manter o alerta para os pacientes com sinais e sintomas de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG). “Quando os fluxos e protocolos são seguidos, há um número menor de pacientes que agravam, por isso é essencial sensibilizar a rede para este cuidado. Isso faz muita diferença, em especial aos pacientes positivos para Vírus Sincicial Respiratório, cujo tratamento é direcionado de acordo com os sintomas”, disse.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.