Publicidade
Manaus
SEGURANÇA

Cansados dos roubos, empresários do Vieiralves criam rede de monitoramento

Ao todo, 56 câmeras externas de estabelecimentos associados são vigiadas por uma central. O investimento total no sistema de segurança foi de aproximadamente R$ 5 mil 27/11/2017 às 09:30 - Atualizado em 27/11/2017 às 12:32
Show c meras
Sistema particular conta, até agora, com 56 câmeras posicionadas em locais estratégicos e monitoradas 24 horas por dia (Foto: Euzivaldo Queiroz)
Danilo Alves Manaus (AM)

Todos os dias, em média seis roubos e furtos são registrados no bairro Nossa Senhora das Graças, Zona Centro-Sul, pelo 22º Distrito Integrado de Polícia (DIP). Nos últimos sete meses deste ano, 5.088 crimes deste tipo foram cometidos na Zona Centro-Sul de Manaus. Para tentar diminuir esses índices, empresários do Vieiralves criaram um sistema de segurança privado do conjunto, usando câmeras de monitoramento, nos moldes do Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops).

Criado há seis meses, o projeto “Vieiralves Seguro”, da Associação dos Empresários do Vieiralves (AEV), realizou parcerias com duas empresas de alarmes e segurança privada. Ao todo, 56 câmeras externas de estabelecimentos associados são vigiadas por uma central de segurança particular.  O proprietário da empresa Alarmes 6ª Dimensão, Janielson Sena, explicou que o sistema funciona 24 horas. Caso haja uma ocorrência, o funcionário responsável pela vigilância aciona diretamente a Polícia Militar (PM).

“As câmeras ficam em lugares estratégicos. Já flagramos casos diversos como furtos, arrombamentos de carros e lojas, além dos assaltos, coisa que era bem comum pelo local. O trabalho ostensivo é feito pela PM”.

O investimento total no sistema de segurança foi de aproximadamente R$ 5 mil, já que além de dois monitores doados pela AEV, há manutenção de Internet e energia elétrica, pagos pelas próprias empresas que forneceram as imagens da câmera.

“O trabalho é totalmente voluntário. Ninguém aqui ganha um centavo. A ideia pode se espalhar também para o Centro da cidade, mas ainda depende de negociação com as empresas que estão localizadas por lá”, contou.

Segundo a presidente da AEV, Adlinez Moreno, a área sofreu uma série de assaltos e arrombamentos a lojas e residências no último ano e por isso surgiu a iniciativa de criar uma rede de segurança.  “Nós ficamos preocupados com a quantidade de ocorrências e unimos forças. No entanto, nos deparamos com um desafio: montar um projeto que integrasse todos os moradores e a Polícia Militar  com informações relacionadas à segurança pública”, disse.

Além das câmeras, outras iniciativas foram adotadas pela AEV junto com outros moradores do conjunto. Quatro grupos de WhatsApp foram criados para compartilhar informações de casos. Nos grupos, participam quase mil pessoas, entre elas o comandante de Área da 22ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), PMs da companhia policial, além de moradores e comerciantes do bairro Nossa Senhora das Graças. 

“Nós também temos parceria com a empresa patrimônio que forneceu uma viatura particular, que realiza o patrulhamento pela área comercial do conjunto. Além disso, confeccionamos 60 placas de aviso com os números das Cicom’s”, disse.

O próximo investimento para integrar o projeto é adquirir um drone que vai fIcar em poder da PM, que deve realizar o patrulhamento aéreo. 

Para o advogado Rui Porto Seguro, 67, morador do Vieiralves há 20 anos, a iniciativa deve servir de exemplo para outros bairros. “É possível investir pouco e alcançar grandes resultados”, disse. 

Organização deu voz

Em setembro de 2015, a Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM) anunciou o projeto de integrar as câmeras de segurança de estabelecimentos comerciais ao sistema do Ciops, mas segundo a SSP-AM, apenas 232 câmeras em toda a cidade tiveram as imagens cedidas.

 Na última semana, a secretaria teve reunião com os 700 empresários do bairro Nossa Senhora das Graças e anunciaram reforço no policiamento. O reforço inclui o efetivo de 10 duplas Cosme e Damião, que atuarão das 8h às 23h, realizando o policiamento a pé, 16 motocicletas, nove viaturas, incluindo uma das Rondas Ostensivas Cândido Mariano (Rocam). Além disso, drones atuarão no levantamento de dados e informações para investigações da Polícia Civil. Toda a ação será realizada  com o efetivo do 22º Distrito Integrado de Polícia (DIP).

Publicidade
Publicidade