Publicidade
Manaus
Insegurança

Capelas estão sendo saqueadas com frequência no Cemitério São João Batista

Cerca de 500 portas que ficam nas entradas das capelas foram furtadas do mês de janeiro até outubro deste ano 22/10/2016 às 09:44 - Atualizado em 22/10/2016 às 09:47
Show jazigo
Dona Maria ficou triste quando recebeu a notícia, e foi até à delegacia para registrar o boletim de ocorrência, na esperança de que os bandidos sejam presos. Foto: Jander Robson
Kamyla Gomes Manaus (AM)

Por incrível que pareça, nenhum lugar está escapando de ser alvo dos bandidos em Manaus. Os criminosos estão furtando até objetos colocados nas capelas do Cemitério São João Batista, localizado na Boulevard Álvaro Maia, bairro Nossa Senhora das Graças, na Zona Centro-Sul de Manaus. Um construtor que trabalha há 30 anos no local, informou para a equipe de reportagem que cerca de 500 portas que ficam nas entradas das capelas foram furtadas de janeiro até este mês. O clima é de insegurança.

Uma das vítimas é a aposentada e empresária Maria das Graças Medeiros, de 66 anos. Ela registrou um Boletim de Ocorrência (BO) no 22° Distrito Integrado de Polícia (DIP) informando sobre o furto ocorrido no dia 14 deste mês, na capela onde estão enterrados os pais e outros três familiares dela.

Foi um investimento e sacrifício de R$ 30 mil para ver o sonho da mãe quando era viva ser realizado. Hoje, eles terão que arcar com um prejuízo de quase R$ 5 mil.

Os criminosos quebraram a porta de vidro que tinha a imagem de Maria na entrada da capela, tudo isso para levar pelo menos 4 bancos que tinham lá dentro.

“É muito doloroso ver isso. Ao mesmo tempo é um absurdo e falta de respeito. Fizemos tudo isso com muito sacrifício. Quando recebi a notícia, fiquei muito triste”, contou.

Ainda segundo a aposentada, a capela foi construída pelo irmão dela. Somente as letras feitas bronze colocadas para identificar, com o nome ‘Jazigo da Família Nunes Medeiros’, custou R$ 1.200, e eles temem que até isso seja levado, já que em outras capelas, foi furtado.

Prática frequente

Trabalhadores do local que cuidam da construção e de manter as capelas sempre limpas, e que preferiram não se identificar, relataram que os furtos têm sido frequentes por lá. O horário preferido é à noite, quando apenas um vigia tem que cuidar de todo o local, que tem pouca iluminação.

“Eles geralmente pulam o muro daqui, que é baixo demais, o que facilita para eles. E também sempre vem mais de um. Infelizmente tem coisas que não podemos fazer”, disse um trabalhador.


Mais um exemplo de capelas sem as portas, alvo principal dos bandidos

Trabalhador há mais de 30 anos do cemitério, um homem de 59 anos que não quis ter o nome revelado, explicou que as portas que ficam na entrada das capelas geralmente são vendidas.

“Eles vem que podem ganhar algum dinheiro com aquilo. Já passei em frente a um sucatão aqui das proximidades e vi várias portas semelhantes com as que teriam sido furtadas”, disse o homem.

Às vésperas do Dia dos Finados, outras capelas também foram arrombadas. De lá, são levadas porta retratos, flores, vasos, e até pequenas lembranças como joias.

Funcionários também falaram que aproximadamente 14 capelas teriam sido furtadas somente este mês. Apenas a dona Graça registrou boletim na delegacia, na esperança de que algo seja feito.

Nenhuma resposta

A reportagem procurou pela administração, porém fomos informados que ninguém estava autorizado a nos atender. A Secretaria Municipal de Limpeza Pública (SEMULSP) também foi procurada, mas sem retorno.

Publicidade
Publicidade