Quinta-feira, 04 de Junho de 2020
Manaus

Cerca de 1.676 mototaxistas irão atuar em novo modelo no próximo mês

Resultado da licitação foi publicado na última quinta (24) no DOM. Entre as mudanças está o preço de R$ 1 por quilômetro e uso do 'mototaxímetro'  



1.jpg Cerca de 1.676 trabalhadores atenderam as exigências e trabalharão no novo sistema
27/04/2014 às 19:40

Cerca de 1676 mototaxistas devem passar a atuar nas ruas de Manaus no próximo mês em um novo sistema. O resultado da licitação pública para o serviço de mototáxi em Manaus foi homologado na última quinta-feira (24) por meio de publicação no Diário Oficial do Município (DOM) e divulgado neste domingo (27), pela Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU).

O processo de cadastro e a assinatura de contrato devem ocorrer nas próximas três semanas. Ao ACRÍTICA.COM, o superintendente da SMTU, Pedro Carvalho, informou que alguns pontos ainda precisam ser discutidos com a classe. “Marcamos uma reunião nesta semana para acertar a padronização da cor das motos e acreditamos que, dentro de três semanas, uma parte desses trabalhadores já trabalhe no novo modelo”, explicou.



Neste padrão, os trabalhadores cumprirão medidas de segurança como uso de capacetes e coletes - sendo identificados com o número de matrícula - também ficando responsáveis pelos usuários fazerem a utilização desses equipamentos. Carvalho adiantou que os mototaxistas terão permissões individuais. “Trabalharão como autônomos, porém eles podem formar cooperativas e implantar postos, coisa que já acontece”, disse.

Preço e circulação

O valor estabelecido em edital para a corrida é de R$ 1 por quilômetro, que será calculado através de outra mudança no sistema: o ‘mototaxímetro’. “O equipamento será instalado em todas as motos e irá medir a distância e estabelecer a quantia a ser paga. É importante para o usuário que ele use um serviço legalizado e pague um valor justo”, explicou o superintendente.

A circulação dos mototaxistas será permitida em toda a cidade, exceto no perímetro que compreende a avenida Getúlio Vargas e ruas Leonardo Malcher e Luiz Antony, Centro. Durante o processo de licitação, uma filtragem foi feita para selecionar os mais habilitados. “Alguns tinham mais de 10 anos de profissão e nunca sofreram nenhum acidente, mesmo o transporte sendo considerado perigoso. Essa seleção visou justamente a segurança da população”, disse o superintendente.

A lista completa dos permissionários pode ser conferida no endereço da publicação digital.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.