Publicidade
Manaus
Manaus

Cerca de 60 mil litros de óleo vazam no rio Negro

O óleo estava armazenado em quatros tanques, dois deles estão submersos no rio após o naufrágio, na Zona Oeste de Manaus 26/03/2013 às 11:46
Show 1
Equipes do Corpo de Bombeiros, Capitania dos Portos, IBAMA e da Agência Nacional de Petróleo foram acionadas
Bruna Souza Manaus, AM

Um vazamento de óleo de grandes proporções foi registrado na manhã desta terça-feira (26) pelo Batalhão de Policiamento Ambiental no rio Negro, próximo ao porto do São Raimundo, na Zona Oeste de Manaus. O derramamento de aproximadamente 60 mil litros do óleo, conhecido como cap-20 que é utilizado na composição do asfalto, foi ocasionado após uma balsa que pertence à empresa Termodal II da Salom navegação tombar na margem do rio.

Segundo o soldado Evilázio Sena, o óleo estava armazenado em quatros tanques, dois deles estão submersos no rio após o naufrágio. A balsa estava ancorada do estaleiro Erin Ltda e até o momento não se sabe como aconteceu o acidente.


Equipes do Corpo de Bombeiros, Capitania dos Portos, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e da Agência Nacional de Petróleo, gás natural e bicombustível (ANP) foram acionadas e  verificam quais os danos ao meio ambiente causado pelo vazamento.

A primeira ação dos órgãos é a contenção do vazamento de óleo com boias preventivas, que não deixam o produto se espalhar no leito do rio e é realizada pelo Centro de pesquisa Ambiental (CPA), empresa privada contratada pelo dono da balsa assim que soube do acidente. Dois fiscais do Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) estiveram no estaleiro verificando os danos ambientais em decorrência do vazamento.

O proprietário identificado como Francis José Chehuan, de 66 anos, foi encaminhado à Delegacia Especializada em Crimes contra o Meio Ambiente e Urbanismo (DEMA), localizada na Delegacia Geral de Polícia na avenida Pedro Teixeira, no bairro Dom Pedro, também na Zona Oeste, e deve responder por crime ambiental.

Até o fim da manhã desta terça-feira as causas do acidente não foram definidas, mas a polícia continua as investigações.

Sem licença

O Ipaam por meio do twitter oficial do órgão informou que a empresa responsável pela balsa não tinha licença para operar no local onde ocorreu o derramamento do óleo. O instituto vai avaliar os danos ao meio ambiente verificados pelos fiscais e definir quais procedimentos serão adotados.

Veja Galeria de imagens


Publicidade
Publicidade