Quarta-feira, 24 de Abril de 2019
publicidade
1.jpg
publicidade
publicidade

Manaus

Cesta Básica em Manaus manteve alta, fechando maio 2,12% mais cara

Pesquisa realizada mensalmente pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) revelou que o manauara teve que desembolsar no período R$ 272,86, em abril o valor foi na casa de R$ 267,19


04/06/2012 às 18:01

O valor dos 12 produtos que integram a Cesta Básica em Manaus apresentou alta pelo segundo mês consecutivo, fechando maio 2,12% mais caro que o mês de abril. A capital do Amazonas ocupa o 2º lugar entre as cidades com a alimentação básica mais cara do Brasil, ficando atrás apenas de São Paulo, onde a Cesta custou R$ 283,69.

Pesquisa realizada mensalmente pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) revelou ainda, que o manauara teve que desembolsar no período R$ 272,86, em abril o valor foi na casa de R$ 267,19.

O feijão famoso por ter os valores elevados foi o item que mais sofreu alta, com (5,32%), seguido do açúcar (5,08%), do tomate (3,88%), do café (3,02%), da farinha (2,20%), da carne (1,52%), do leite (1,15%), do óleo (0,99%), do arroz (0,97%) da banana (0,90%) e da manteiga (0,82%). O único produto que não apresentou alteração em seu valor foi o pão, com (3,39%) no ano.

De acordo com o Dieese dois itens tiveram alta influenciada pelas condições climáticas e naturais dos Estados em que são produzidos, a farinha por conta da cheia histórica nos rios do Amazonas, e o feijão pela seca prolongada nos Estados da região nordeste, além das fortes chuvas na região Sudeste.

publicidade






publicidade
publicidade
Comerciante faz comedouro e bebedouro para animais de rua em Manaus
Padrasto é preso após espancar enteado que derrubou feijão no irmão mais novo
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.