Publicidade
Manaus
OUSADIA

Chefe da CGU diz que 'Maus Caminhos' teve saques de R$ 14 milhões em espécie

De acordo com Marcelo Borges, que participou das investigações, envolvidos faziam saques voluptuosos em uma agência bancária dentro de shopping da cidade 27/04/2017 às 18:16
Show whatsapp image 2017 04 27 at 12.27.59
Médico Mouhamad Moustafa acompanhou dois depoimentos de testemunhas de acusação (Foto: Márcio Silva)
Kelly Melo Manaus (AM)

Ouvido como testemunha de acusação na denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal sobre os desvios da Operação Maus Caminhos, o chefe da Controladoria Geral da União no Amazonas, Marcelo Borges de Souza, revelou que envolvidos no esquema usavam um banco em um shopping para sacar quantias altíssimas em dinheiro

"Eles sacavam milhões em espécie. Identificamos saques de até R$ 14 milhões, R$ 4 milhões", afirmou o chefe da CGU. Ele foi o segundo a depor nesta quinta-feira, na sede da Justiça Federal, no primeiro dia de audiências sobre o caso.

De acordo com Marcelo Borges, , todos os envolvidos no esquema que seria liderado pelo médico Mouhamad Moustafa possuíam funções bem  delimitadas, o que permitiu que eles fizessem desvios volumosos de dinheiro dos recursos do Fundo Estadual de Saúde.

LEIA MAIS: Carros de luxo apreendidos na Maus Caminhos serão usados pela PF

De acordo com o chefe da CGU, os dados da investigação foram cruzados com informações obtidas no site da transparência do Estado.  "O Estado contratou uma organização criminosa para gerir o fundo estadual de saúde e essa organização era liderada pelo Mouhamad. Ele era o cérebro da organização", afirmou ele.

Na parte da manhã, foi ouvido por quase quatro horas o delegado da Polícia Federal que conduziu o inquérito, Alexandre Teixeira dos Santos. No decorrer da tarde, testemunharam perante a Justiça superintendente da Controladoria-Geral da União (CGU) no Amazonas, Marcelo Borges, e Bruna Marly Alfaia Moura, ex-funcionária da empresa Salvare.

Antes de começar a depor, Bruna Marly solicitou que Mouhamad Moustafa e a outra ré presente, a cunhada dele, Priscila Marcolino Coutinho, deixassem a salar para que ela iniciasse o depoimento, que já começou no final da tarde.

Publicidade
Publicidade