Domingo, 05 de Julho de 2020
FORA DE RISCO

Cheia do rio Negro não vai alcançar a cota de emergência, diz CPRM

De acordo com Serviço Geológico do Brasil, a previsão é que a cheia fique entre 28m35 e 28m85, com média de 28m60 (o que representa 0,82m abaixo da cota máxima da cheia de 2019, que ficou em 29m42 registrada no dia 24 de junho)



show_cheia_2_2E021D3D-7557-44F1-9685-BD9DB57D2ED1.jpg Foto: Arquivo/AC
29/05/2020 às 12:25

A cheia do rio Negro não vai alcançar os 29 metros da cota de emergência definida para este ano. A informação é do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) que divulgou, na manhã desta sexta-feira, o 3º Alerta de Cheias para a cidade de Manaus em 2020.

De acordo com o órgão, a previsão é que a cheia fique entre 28m35 e 28m85, com média de 28m60 (o que representa 0,82m abaixo da cota máxima da cheia de 2019, que ficou em 29m42 registrada no dia 24 de junho). A cota desta sexta-feira (29), segundo o CPRMchegou a 28m22.



A cota máxima histórica registrada no rio Negro aconteceu em 29 de maio de 2012, com 29,97m, e a mínima em 24 de outubro de 2010 com a marca de 13,63m.

“Verificamos que o comportamento será bem dentro da normalidade. Este ano o rio Negro deu folga para nós. Esperamos que as cotas não saiam da normalidade em junho e julho. Dessa forma os 29 metros de cota de emergência definida pelo CPRM e órgãos de Defesa Civil então não será atingida, apesar de estar próxima dos números divulgados”, explicou a pesquisadora em Geociências e responsável pelo monitoramento da bacia ocidental do rio Amazonas, Luna Gripp.

Apesar da normalidade, a estudiosa do CPRM alerta que há áreas da cidade que podem sofrer um mínimo impacto da cheia deste ano, caso da região do bairro de Educandos, na Zona Sul da cidade onde, “com 27 metros e meio já se pode sofrer impactos, mas o importante é que o impacto será o mínimo possível”.

O banco de dados da Rede Hidrometeorológica Nacional do Serviço Geológico do Brasil conta com 116 anos de informações das cotas históricas do rio Negro (1903 a 2019) e em 94% dos anos as cheias ocorreram em junho e julho (75% dos registrados em junho e 19% em julho).

Os alertas de cheias vêm sendo feito pelo CPRM desde 1989, quando é apresentada a previsão da cota máxima a ser atingida naquele ano pelo rio Negro em Manaus.

Esta é a última etapa de divulgação da previsão de cota máxima que o rio Negro deve atingir em Manaus em 2020 e a projeção mais precisa, por ser a mais próxima ao pico da cheia.

Historicamente, a cheia do rio Negro em Manaus registra seu nível mais elevado entre os meses de junho (75% das vezes) ou julho (19%).

As informações foram divulgadas, como vêm sendo efeito anteriormente, por transmissão no Canal da CPRM no YouTube e no Facebook para respeitar o distanciamento social em face da epidemia pelo Novo Coronavírus.

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.