Terça-feira, 25 de Fevereiro de 2020
Subida das águas

Cheia do Rio Negro será menor em 2016, prevêem órgãos especializados

A previsão é que as águas do Rio Negro subam entre 26,97 metros até 27,57 metros, menos em comparação às enchente dos anos anteriores



fe6c8021-7518-459d-83b0-b749fa816311.jpg Os dados foram divulgados pela engenheira ambiental, Luna Gripp Simões Alves, do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) (Fotos: Márcio Silva)
31/05/2016 às 12:46

A cheia das águas do Rio Negro será menor em 2016 em comparação aos anos anteriores. É o que prevêem os órgãos especializados, que divulgaram que cota das águas deve ficar entre 26,97 metros até 27,57 metros.

“Pelo o que a gente tem observado no próprio Rio Negro, em Manaus, parece que o rio não vai subir muito mais. Então a gente espera uma situação bem normal, espera uma cota entre 26,97 até 27,57 metros”, explicou a engenheira ambiental, Luna Gripp Simões Alves, do Serviço Geológico do Brasil (CPRM).



“Em comparação ao ano passado (a previsão para a cheia de 2016) está bem abaixo. Ano passado tivemos uma cheia extrema. Se não me engano foi a quinta cheia histórica e agora temos um processo normal”, continuou Gripp.

A divulgação dos dados ocorreu em coletiva de imprensa com os órgãos CPRM, o Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) e as Defesas Civis de Manaus e do Estado.

Após cheia, a seca

Segundo os órgãos especializados, apesar de se prever uma baixa subida das águas do Rio Negro em relação anos anteriores, isso não quer dizer que a consequente estiagem (a seca) também será baixa este ano.

“Quando a gente tem uma cheia baixa, que é o que está acontecendo agora, não quer dizer que a vazante vai ser baixa também. A gente não tem uma correlação boa entre esses dois dados. Daqui até outubro, até novembro, é que vai dizer o que vai acontecer na época de seca”, explicou a engenheira ambiental Luna Gripp Simões Alves.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.