Publicidade
Manaus
ELEIÇÕES

Chico Preto é o novo candidato a vice de David Almeida ao Governo do AM

Mudança ocorreu após a Justiça Eleitoral ter negado um mandado de segurança para anular a exclusão do PT da Coligação “Renova Amazonas” 30/08/2018 às 11:25 - Atualizado em 30/08/2018 às 11:31
Show 74dd8258 85d2 4901 8dca c56aa4eaa62d 6c1dbcad 3cb7 4a51 8a2c 9249c49852c0
Foto: Divulgação
Larissa Cavalcante Manaus (AM)

Após a Justiça Eleitoral negar mandado de segurança para anular a exclusão do PT da coligação “Renova Amazonas”, o vereador Chico Preto (PMN) é o novo vice do candidato ao governo David Almeida (PSB).

A CRÍTICA apurou que com a saída do PT da coligação e, consequentemente, do petista Jorge Guimarães do cargo de candidato a vice-governador, o posto passa a ser do vereador Chico Preto, que anteriormente disputava vaga ao Senado pela chapa. A coligação convocará uma coletiva de imprensa, ainda hoje, para anunciar as mudanças nas chapas majoritárias ao governo e ao Senado.

A mudança na chapa ocorre a menos de 24 horas do início da propaganda eleitoral gratuita no rádio e na TV, que inicia nesta sexta (31), em meio ao imbróglio jurídico que envolve a coligação, o PT, o PCdoB e a senadora Vanessa Grazziotin.

Com a saída do PT, a perda na coligação equivale a 1 minuto e 18 segundos de propaganda eleitoral e 2 minutos e 1 segundo de inserções diárias na grade de programação. Sem o PT, o tempo de propaganda da coligação “Renova Amazonas”, que reúne as siglas PSB, PROS, Podemos, PMN e PMB, será de 1 minuto e 5 segundos e com inserções de 1 minuto e 42 segundos, de acordo com planilhas divulgadas pelo Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM).

Decisão

Na última terça-feira (28), o corregedor do TRE-AM, desembargador Aristóteles Thury, negou o pedido de liminar da coligação “Renova Amazonas” para anular a decisão do juiz Marco Antônio Pinto, que havia excluído o PT da referida coligação.

Na decisão, publicada no mural eletrônico do TRE-AM, o magistrado sustenta que casos recorríveis, como este, não podem ser questionados por meio de mandado de segurança. A coligação já havia apresentado recurso contra a decisão de Marco Antônio, que vai ser julgado pelo colegiado do TRE-AM.

Publicidade
Publicidade