Sábado, 21 de Setembro de 2019
NÃO AGRADOU

Ciclofaixa gera polêmica entre ciclistas e moradores da Cachoeirinha

Vários metros de asfalto estão sendo pintados na Zona Sul. Para ciclistas, falta estrutura adequada para o uso do modal



CICLOFAIXA_ZZZ_466639A6-FB77-4932-AB6C-AEB8C5F23969.JPG Foto: Márcio Silva
19/08/2019 às 09:04

A revitalização de Parques Urbanos do Programa Social e Ambiental dos igarapés de Manaus (Prosamim) tem dividido opiniões de moradores da avenida Lourenço da Silva Braga e da Alameda São Benedito, que dividem os bairros Cachoeirinha e Morro da Liberdade, Zona Sul. No local, a pintura de uma ciclofaixa tem levantado polêmica.  São vários metros de extensão que estão sendo pintados no passeio que contorna o igarapé entre os dois bairros.

O que para o professor e ciclista Diego Oliveira, não vai trazer benefícios a quem usa o local.  “Passo diariamente nessa rua, mas confesso que na maioria das vezes vou pela rua mesmo, visto que ela é muito desnivelada. Uso a bike como transporte e nem sei se dá pra chamar de ciclofaixa essa obra porque basicamente varreram a calçada e tacaram uma tinta vermelha. É desnivelada, o concreto está esburacado. Não acho que vai ajudar em nada os ciclistas”, opinou. 

Além da ciclofaixa, também estão sendo feitas reformas nas quadras de esporte e pista de Skate, localizada na Cachoeirinha, o que agrada alguns moradores que usavam frequentemente o espaço. “Essa questão da parte do ciclista eu não achei ruim não. Pelo menos eles não ficam andando na rua com os carros. A calçada é ampla e ficou com espaço para o pedestre e para o ciclista também. Isso precisava ser feito, assim como a reforma das outras coisas,que estavam quebradas, abandonadas e com muito mato”, comentou a dona de casa Meire Matias, 45.

Para a autônoma Silvia Pinheiro, 39, a obra é boa de um modo geral, porque vai dar uma nova cara à avenida e ao parque. “Aqui na verdade nem passam tantos ciclistas, acho que essa ciclofaixa nem vai servir para nada. Só gasto de dinheiro. Pelo menos as outras obras vão ajudar quem faz caminhada e quer praticar algum esporte”, concluiu a moradora do Parque Residencial Gilberto Mestrinho. 

As obras de revitalização, segundo  a Secretaria da Região Metropolitana (SRMM) e Unidade Gestora de Projetos Especiais (UGPE), ocorre em sete parques urbanos espalhados na cidade. Os locais estão recebendo serviços de recuperação e revitalização nas áreas de caminhada, quadras de esporte, quiosques de venda, banheiros, ciclovias e bancos. O valor investido nas obras é de aproximadamente R$ 9,7 milhões, e o prazo de conclusão é de cinco meses.

Novas ciclofaixas serão viabilizadas

A capital do Amazonas, segundo informações da prefeitura de Manaus, conta com, aproximadamente, 38 quilômetros de ciclovias e ciclofaixas localizadas em avenidas e parques da cidade. 

Em nota, o órgão informou que novas ciclovias e ciclofaixas devem ser viabilizadas por meio da construção do bairro planejado em grandes proporções, aprovado recentemente pelo município e que está sendo implantado numa área que interliga os bairros Planalto, Lírio do Vale e Tarumã. 

Outro trecho que também está em análise, segundo o órgão, para a implantação de 4 quilômetros de ciclofaixa, é na avenida Arquiteto José Henriques, além de outros 6 quilômetros de ciclofaixa no Corredor Ecológico do Mindu. Essa nova ciclofaixa será interligada ao trecho já existente do modal na avenida Natan Xavier, contemplando mais de 12 quilômetros (ida/volta), fazendo o trajeto entre as vias João Câmara e Autaz Mirim.

A prefeitura ressaltou ainda que tem realizado reuniões periódicas envolvendo representantes do modal, como a Abraciclo e o grupo Pedala Manaus, além de suas secretarias municipais envolvidas com o tema, para avaliar a implantação de futuras ciclovias na cidade, incluindo sinalização e campanhas de conscientização.

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.