Publicidade
Manaus
Manaus

Cidadania para portadores de deficiência é tema de campanha de acessibilidade da Seped

Segunda-feira é o dia nacional de luta pelos direitos da pessoa com deficiência, que somam 23% da população do Amazonas 19/09/2015 às 15:23
Show 1
Aos 41 anos, o servidor público Magno Sanches diz que as conquistas foram muitas, mas ainda há um longo caminho a percorrer
silane souza Manaus (AM)

Eles representam aproximadamente 23% da população do Amazonas. São em torno de 790.647 mil em todo o Estado, de acordo com o censo de 2010 do Instituto Brasileira de Geografia e Estatística (IBGE). Apesar de terem os mesmos direitos na sociedade, as Pessoas com Deficiência (PCD) ainda enfrentam muitos problemas em seu dia a dia, principalmente, na locomoção pelas ruas da cidade. O acesso ao transporte e as edificações ainda é muito precário.

Na segunda-feira será comemorado o Dia Nacional de Luta pelos Direitos da Pessoa com Deficiência. A Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Seped) lançará, neste domingo (20), a Campanha “Acessibilidade Pra Mim e Pra Você”. O evento tem por objetivo informar e sensibilizar a sociedade sobre os direitos das pessoas com deficiência e contribuir para que as mesmas possam viver de forma independente e participar plenamente de todos os aspectos da vida.

O servidor público Magno Sancho de Figueiredo, 41, tem limitações físicas desde os dois anos de idade em função da paralisia infantil. Mas o fato não o impediu de estudar, ir às festas e trabalhar. “Busquei minha adaptação, não era cadeira de rodas, usava uma sandália nas mãos para enfrentar as dificuldades de locomoção. Mas fui à escola, procurei meu lazer, me socializei e, com 17 anos, consegui meu primeiro emprego, como cobrador de ônibus”, relata.

Magno conta que, logo em seguida, com 22 anos, ele se casou. Teve três filhos, mas o filho caçula faleceu por ter nascido com paralisia cerebral. Hoje, conforme ele, é separado, tem um casal de filhos: um menino com 18 anos e uma menina com 17, e é comissionado num órgão do Estado desde 2010. “O ser humano precisa um do outro, seja com ou sem deficiência, mas não necessariamente todas as horas. Precisamos ter nossa independência”, aponta.

Na avaliação dele, o segmento de pessoa com deficiência teve algumas conquistas, embora que ainda muito pequenas, mas teve acesso ao mercado de trabalho, um transporte coletivo com um sistema adequado à realidade das PCDs. Porém, ainda falta manter e ativar os direitos dessas pessoas. “Eu como cadeirante sou mais limitado, preciso de uma parada e uma calçada mais acessível, que me dê o direito de sair da casa sozinho, pegar ônibus e ir a qualquer lugar que eu queira”, frisa.

Dados do IBGE mostram que só em Manaus há em torno de 461.414 pessoas com deficiência (26% da população). No Estado existem mais de 150 mil (com deficiência auditiva); 650 mil (visual); 200 mil (motora); e 38 mil (intelectual). Em todo o país são mais de 45 milhões (24%). Já em todo o mundo, conforme a Organização Mundial da Saúde (OMS), são mais 1 bilhão, aproximadamente 7% da população mundial.

AM é o 3° a ter secretaria

O Amazonas é o terceiro Estado da Federação a contar com uma Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Os outros dois são Piauí e São Paulo. “A Seped nasceu em 2010 com a finalidade de fazer articulação com os demais órgãos da administração estadual a fim de melhorar e ampliar as políticas públicas para a pessoa com deficiência. Onde já existem serviços para esse segmento da sociedade nós fortalecemos e onde não tem implantamos”, explica a titular da Seped, Vânia Suely.

Conforme a secretaria, ao longo desses quatro anos a instituição desenvolveu diversos projetos, entre eles o Viver Melhor Habitação, que contempla as pessoas com deficiência com adequação da moradia. Na capital foram feitas adaptações em 700 casas, no interior em 339, e outras 375 estão em execução. A Seped também promove atividades motoras em Centros de Educação de Tempo Integral, e recentemente criou a Central de Intérprete de Libras (Cilam), que atende a demanda da comunidade surda.

Publicidade
Publicidade