Quarta-feira, 24 de Abril de 2019
publicidade
COMPAJ.JPG
publicidade
publicidade

AMEAÇADOS

Cinco detentos do Compaj estão em lista de 'marcados para morrer', diz advogado

Seap diz que recebeu informações sobre sete ameaçados, sendo cinco no Compaj e dois no Ipat, e afirma estar acompanhando a situação


08/04/2017 às 16:56

Pelo menos cinco detentos do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj), onde 56 detentos foram assassinados em janeiro deste ano, estão sob risco iminente de morrer.

A afirmação é de um advogado criminalista, que não quis se identificar e diz ter tido acesso a uma lista dos 'marcados para morrer'.  A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) diz estar acompanhando a situação.

Segundo o advogado, a situação está complicada desde a rebelião de janeiro, o que deixa familiares dos detentos apreensivos.  Ele diz que não conseguiu fazer contato direto com a Seap para alertar o Estado sobre a situação.

"As famílias desses presos estão em desespero, pois eles estão sendo ameaçados de morte. O sistema prisional não faz nenhuma triagem e por causa disso, desde janeiro tem rolado essa onda de mortes dentro dos presídios. É possível que esses cinco detentos sejam mortos a qualquer momento. Nossa finalidade é evitar a continuação desse tipo de crueldade dentro dos presídios. Mas, como se trata de um final de semana, não consigo fazer a entrega da petição para a Seap, pois a secretaria não funciona em regime de plantão”, afirmou o advogado.

publicidade

De acordo com ele, a situação dentro dos presídios tem se agravado após a facção Família do Norte (FDN) ter se dividido em dois grupos.  A motivação dessa separação veio logo após a morte de quatro detentos ocorrida no início do ano na Cadeia Pública Vidal Pessoa. Este racha, inclusive, é apontado como o principal motivo para as seis execuções registradas nesta sexta-feira, na Unidade Prisional do Puraquequara.

 “Quando a Seap deu início a transferência  de presos não fez nenhum peneira, misturou as facções. A possibilidade de termos mais mortes é bem grande  Essa separação da FDN em dois grupos também tem colaborado com o atrito no sistema ”, disse.

Os presos que segundo o advogado correm riscos são Alessandro de Souza Reis, Jaitt José Ribeiro de Queiroz, Josiney da Silva Nascimento , Romano Ferreira Alves e Ronildo Freitas da Costa. Destes, a reportagem conseguiu identificar que Josiney responde por tráfico e associação para o tráfico, enquanto Romano e Ronildo foram presos por homicídios.

Em nota, a Seap infromou que advogado entrou em contato com a Ouvidoria do Sistema Penitenciário, que atendeu a solicitação e recolheu o nome de cinco internos do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) e dois internos do Instituto Penal Antônio Trindade (Ipat). A situação, segundo a Seap, está sendo acompanhada e conduzida pela Ouvidoria em parceria com a Corregedoria do Sistema Penitenciário, que também foi procurada pelo advogado.

publicidade
publicidade
Cinco visitantes são flagradas com drogas nas partes íntimas em prisões de Manaus
População carcerária feminina de presídio no AM cresceu 567,4% em 14 anos
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.