Segunda-feira, 17 de Junho de 2019
Manaus

Clima em Manaus segue alterado e com muita água pela frente

Verão amazônico tem se caracterizado, até este setembro, por chuvas acima da média e uma vazante lenta do rio Negro



1.jpg Clima em Manaus segue alterado e com muita água pela frente
21/09/2013 às 14:52

O verão Amazônico em Manaus, que compreende os meses de julho, agosto e setembro, tem sido bem diferente de anos anteriores, com precipitação de chuvas cima da média aliada a uma vazante lenta do rio Negro. Uma consequência possível para essa conjugação de fatores é uma nova cheia recorde em 2014.

O mês de setembro ainda nem terminou, e as chuvas que caíram nesses primeiros 20 dias já superaram a média. De acordo com dados do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), para o mês de setembro era esperado uma média de chuvas entre 73 e 75 milímetros, no entanto até quinta-feira o registrados era de 114 milímetros, quase 40% a mais do esperado. Se compararmos com o ano passado, todo o mês de setembro contabilizou 90,5 milímetros. Em 2011 os números são ainda mais baixos: 14,3 milímetros de chuvas em setembro.

Este ano, as chuvas atípicas do mês de setembro que já está sendo considerado por especialistas com um mês chuvoso, dificulta a descida normal do rio Negro. A velocidade na descida do rio sofreu uma grande interferência.

No ano passado o rio descia em média de 19 a 16 centímetros por dia em setembro. Neste ano o rio está descendo com uma uma variação de 11 a 4 centímetros por dia, uma diferença espantosa de acordo com os registros do Portal oficial do Porto de Manaus.

Isso acontece só na capital, afirma o chefe da seção de previsão de tempo do Inmet, Veríssimo Farias. “Por ser um período muito quente, de radiação intensa, evaporação e formação de nuvens, acabam ocorrendo pancadas de chuvas”, explica Verissímo.

Para ele o fato de Manaus ser uma metrópole que cresceu bastante e cedeu parte da vegetação para dar lugar a construções e vias públicas, pode estar diretamente ligado a instabilidade local. “Os dois principais fenômenos que poderiam influenciar a nossa climatologia, são a “La Niña” (que esfria as águas do Oceano Pacífico) e o “El Niño (que aquece as águas oceânicas)”, porém eles não se apresentam com força suficiente para influenciar na nossa cidade”, destaca.

O especialista afirma ainda que em outros municípios do Amazonas a previsão de chuvas se mantém dentro da média. “Aqui na Amazônia há somente duas estações climáticas: a seca e a chuvosa, com duração em média de seis meses cada. para a próxima semana a previsão é de sol entre nuvens e pancadas de chuvas”,

De acordo com especialistas do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), estes excedentes de chuva são decorrentes da atuação do evento La Niña. “O fenômeno é indicado pelas anomalias frias de temperatura de superfície do mar no Pacífico Equatorial e vem ocorrendo com intensidade moderada desde final de 2012”.

Ainda de acordo com dados do Sipam, durante os meses de agosto e setembro de 2013 o padrão da TSM (temperatura de superfície do mar) sobre o Pacífico Equatorial continua indicando um padrão de resfriamento. 



Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.