Publicidade
Manaus
POR JUSTIÇA

Com cartazes, Grito dos Excluídos convida as pessoas a lutarem por seus direitos

A concentração ocorreu na Avenida Itaúba, no bairro Jorge Teixeira, na Zona Leste, e seguiu caminhada até a Bola do Produtor, também na Zona Leste 07/09/2017 às 16:55 - Atualizado em 07/09/2017 às 17:05
Show grito 2
Fotos: Antônio Lima
Camila Pereira Manaus (AM)

Com o tema “Vida em primeiro lugar”, a 23ª edição do Grito dos Excluídos reuniu na tarde desta quinta-feira (7) centenas de pessoas ligadas a movimentos sociais, sindicatos e setores da igreja católica. Neste ano, a concentração ocorreu na Avenida Itaúba, no bairro Jorge Teixeira, na Zona Leste de Manaus, e seguiu caminhada até a Bola do Produtor, no bairro Novo Aleixo, também na Zona Leste.            

Os participantes trouxeram cartazes com reivindicações destinadas às áreas como saúde, segurança e contra a reforma trabalhista, sancionada neste ano no governo de Michel Temer.                       

A questão do meio ambiente também foi lembrada, com críticas ao decreto que liberou a exploração mineral na Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca), entre os estados do Pará e o Amapá.


O arcebispo de Manaus dom Sérgio Castriani participou da caminhada 

Tradicionalmente, o Grito dos Excluídos traz reflexões sobre a justiça social, a política e convida as pessoas a lutarem por seus direitos.                        “A exclusão é um fenômeno social moderno, as pessoas não tem o direito de participar de decisões. As pessoas precisam do mínimo pra viver”, afirmou o arcebispo de Manaus, dom Sérgio Castriani.       

                

O movimento é organizado todos os anos pela Cáritas. Segundo o diácono da Caritas, Afonso Brito, o Grito também visa chamar a atenção das autoridades sobre os problemas locais.  “As pessoas vêm reivindicar os direitos que estão sendo cerceados do povo brasileiros. É uma oportunidade de dar visibilidade para essas pessoas", destacou o diácono.                       

Brito informou que posteriormente será elaborado um documento com as reivindicações levantadas e que serão enviadas ao governo do Estado e à Prefeitura de Manaus.

Publicidade
Publicidade