Publicidade
Manaus
MEDIDA

Com greve de vigilantes, agências bancárias de Manaus podem não abrir nesta quinta (14)

Sindicato dos Bancários do Amazonas afirmou ter orientado a categoria a abrir os bancos amanhã apenas caso haja segurança nos estabelecimentos 13/02/2019 às 21:57 - Atualizado em 13/02/2019 às 22:00
Show vigilante a35e5311 4115 44e5 a53f f3458a901380
Foto: Divulgação
Vitor Gavirati Manaus (AM)

As agências bancárias de Manaus podem não abrir para o expediente a partir desta quinta-feira (14). O risco existe porque está marcada para começar amanhã a greve geral do Sindicato dos Empregados em Empresas de Vigilância e Segurança de Manaus (Sindevam). De acordo com a Lei Federal 7.102/1983, é vedado o funcionamento de instituições financeiras sem a presença de vigilantes.

O presidente do Sindicato dos Bancários do Amazonas, Nindberg Barbosa, afirmou ter orientado a categoria, nesta quarta-feira (13), a abrir os bancos amanhã apenas caso haja segurança nos estabelecimentos.

“Se os vigilantes não forem, os bancos não podem abrir. Hoje eu comuniquei a todas as regionais que, se o vigilante não for, eles não podem abrir as agências. A presença dos vigilantes e condições para abrir são necessárias. Porque só um (vigilante), não garante. Ainda mais em agências de grande porte, onde é preciso ter quatro. Nas pequenas, é preciso, no mínimo, dois”, contou Nindberg.

A decisão de greve do Sindevam foi acertada durante assembleia geral extraordinária realizada na Casa do Trabalhador, no Centro, na última sexta-feira (8). A paralisação foi pensada após o Sindevam não ter sucesso nas negociações salariais da categoria com o sindicato patronal.

Cerca de 10 mil vigilantes são filiados ao Sindevam. A paralisação por parte dos vigilantes que trabalham em agência bancária é uma das prioridades do Sindicato porque, segundo as lideranças, os trabalhadores que atuam em agências bancárias são os que ganham os menores salários da categoria. Fábricas do Polo Industrial de Manaus e outros estabelecimentos como o Aeroporto Internacional Eduardo Gomes devem ser afetados com a greve.

“Nós vamos paralisar, principalmente, os bancos. Os bancos vão ficar de 50% para cima parados. Nem todo vigilante vai querer aderir, mas, pela situação, como eles sabem que estão ganhando muito menos que um vigilante que trabalha no Distrito, olha lá se não chega a 100%”, afirmou o diretor financeiro do Sindevam, Everaldo Progênio, destacando que há aproximadamente 150 agências bancárias funcionando em Manaus.

A concentração dos sindicalizados que aderirem à greve marcada para iniciar nesta quinta-feira vai acontecer, a partir das 5h30, na Praça Heliodoro Balbi (Praça da Polícia), no Centro.

Publicidade
Publicidade