Publicidade
Manaus
HABEAS CORPUS

Com habeas corpus, Adail Pinheiro deixa presídio após 4 dias preso

Ex-prefeito de Coari deixou presídio em Manaus por volta das 17h50 10/12/2018 às 19:56
Show show adail 10b7b00a 582c 4f8c aaa3 2ca95274f310  1  b264882a 7493 4994 beb5 3f884b2f586c
Foto: Arquivo/AC
acritica.com Manaus - AM

Após ter um habeas corpus aceito pelo Tribunal Regional Federal (TRF 1ª Região) o, ex-prefeito de Coari, Adail Pinheiro, foi solto na tarde desta segunda-feira (10), por volta das 17h50, de acordo com a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (SEAP). Ele estava preso desde quinta-feira (6) na triagem do Centro de Detenção Provisória Masculino (CDPM II) por crimes relacionados à Operação Vorax, de 2008, que apurou desvios de recursos.

Segundo o advogado de Adail, Fabrício de Melo Parente, o livramento condicional foi dado pelo vice-presidente do TRF1, o desembargador Kássio Marques, e se baseou no fato de Adail ter respondido aos termos do processo em liberdade.

“Não cabe prisão para o caso de Adail, tendo em vista que respondeu aos termos do processo em liberdade, aliado ao fato de que os requisitos exigidos pelo art. 312 do CPP não estão presentes no caso concreto. (O desembargador) Asseverou ainda que nem em caso de condenação em segundo grau a prisão processual é permitida sem o preenchimento dos requisitos legais. Vale ressaltar que a sentença foi proferida por juiz de primeiro grau”, disse ele.

Condenação

Em junho de 2015, a Justiça Federal condenou  a 41 anos e quatro meses de prisão, o irmão de Adail - Carlos Eduardo Pinheiro  e outros 19 réus por participação no esquema de fraudes em licitações investigado pela Polícia Federal, na operação Vorax.

À época, o processo de Adial foi desmembrado e havia sido remetido para o Tribunal Regional Federal da 1º Região (TRF-1) por conta do foro privilegiado em razão de Adail ter assumido em janeiro de 2013 o cargo de prefeito de Coari, distante 363 quilômetros da capital.

Em 21 de março deste ano, o processo foi remetido para a Justiça Estadual. No dia 4 deste mês, está registrado no andamento processual, a sentença emitida pela Justiça Federal do Amazonas. O documento ainda não está disponível para acesso.

Além da pena de prisão, Adail foi condenado ao pagamento de 2020 dias-multa, sendo cada dia-multa correspondente a ¼ do salário-mínimo vigente à época dos fatos, com a devida atualização monetária. O ex-prefeito foi denunciado pelo MPF em 2010.

Publicidade
Publicidade