Publicidade
Manaus
Manaus

Com interdição da praia da Ponta Negra, manauara deve procurar balneários alternativos na região

Cumprindo TAC assinado com o Ministério Público, a Prefeitura de Manaus fechou o principal balneário da cidade. E agora? Confira dicas para curtir praia e água 31/10/2015 às 18:26
Show 1
Boa opção é a praia do Açutuba, na margem direita do rio Negro, com acesso pelo Km 28 da rodovia AM-070
Silane Souza Manaus (AM)

No período em que a temperatura máxima em Manaus fica sempre acima dos 30 graus e a demanda por balneários aumenta, a principal praia  da cidade - a Ponta Negra  -, está interditado. E agora? o que fazer para amenizar o calor?

Enquanto essa situação não é resolvida, A CRÍTICA mostra que há várias opções de balneários no entorno da capital que a população pode se refrescar. Mas a maioria cobra uma taxa para entrar no local, como os banhos de igarapés ao longo da rodovia BR-174 (Manaus-Boa Vista) e as praias na região da estrada  AM-070 (Manaus-Manacapuru).

No caso das praias localizadas à margem esquerda do rio Negro, como a da Lua e a do Tupé, a permanência no local é gratuita, mas o acesso só é feito por meio de barco ou lancha que partem da Marina do Davi, na Zona Oeste. O valor da passagem depende de cada opção, bem como o tempo de viagem.

Motivos

De acordo com a Prefeitura de Manaus, a interdição cumpre Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado em 2013, com o Ministério Público Estadual (MPE). O documento determina que, por medida de segurança, ela  só pode ser aberta ao público quando o rio Negro estiver acima da cota de  16,40 metros, a cota de alerta do rio.

Na última terça-feira, a cota do Negro estava em 15,95 metros. No entanto, na quinta-feira, o rio subiu três centímetros e na sexta-feira, encheu mais quatro centímetros, ficando em 15,99 metros.

Para o chefe do serviço de Hidrologia no Porto de Manaus, Valderino Pereira da Silva, a subida é considerada quase como um término da vazante. Conforme ele, para assegurar se realmente é o fim da seca é preciso aguardar até a próxima semana para verificar se o rio não vai passar por um repiquete, uma espécie de efeito sanfona em  o rio começa a baixar novamente após período de descida da água.

O presidente do Instituto Municipal de Planejamento Urbano (Implurb), Roberto Moita, afirmou que o prazo mínimo para interdição do balneário é de 45 dias. Mas para o superintendente do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), Marco Antônio de Oliveira, o aconselhável é que a praia só seja liberada novamente quando o rio Negro estiver entre  19 e 20 metros.

Qualidade da água indefinida

Sobre a qualidade da água dos balneários de Manaus, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) informou que está retomando o trabalho de coleta que havia sido paralisado em julho, por conta da reforma do laboratório do Departamento de Vigilância Sanitária (DVisa Manaus).

Conforme a Semmas, o trabalho foi retomado na última segunda-feira, mas desta vez, a coleta de amostra de água está sendo feita apenas no balneário da Ponta Negra, porque em função da seca, os demais pontos não oferecem  mais acesso.

“As coletas serão feitas ao longo de cinco semanas consecutivas, conforme determina o Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama). A série histórica de resultados das análises tem sido dentro dos padrões”, destacou a pasta.

Opções de sombra e água fresca

- Balneário Cachoeira Top 10 - Km 11 da BR-174;
- Balneário Barbados Beer - Km 11 da BR-174;
- Balneário Souza Lima - Km 11 da BR-174;
- Restaurante e balneário Baré - Km 17 da BR-174;
- Balneário Santur - Km 19 da BR -174;
- Balneário Águas Frias - Km 19 da BR -174;
- Balneário Três Irmãos – Km 23 da AM-070;
- Praia do Açutuba - entrada pelo Km 28 da AM-070;
- Praia do Japonês - entrada pelo Km 28 da AM-070;
- Praia do Tupé - a margem esquerda do Rio Negro;
- Praia da Lua - a margem esquerda do Rio Negro;
- Praia Dourada - acesso pelo Tarumã-Açú ou av. do Turismo;
- Balneário da Prainha - acesso pelo Tarumã-Açú ou av. do Turismo.

Publicidade
Publicidade