Sexta-feira, 22 de Novembro de 2019
FALTA MEDICAMENTOS

Com orçamento de R$ 800 milhões para saúde, Prefeitura dá calote de R$ 4,2 milhões

Denúncia foi feita por uma das representantes da empresa em Manaus que ficou no prejuízo: Comercial Cirúrgica Rioclarense



Capturar.JPG Ao todo, 31 pedidos foram entregues à central da Semsa e não pagos (Foto: Alex Pazuello/Semcom)
12/09/2017 às 20:14

Cerca de R$ 4,2 milhões em medicamentos e produtos hospitalares que foram distribuídos à Unidades Básicas de Saúde (UBS’s), clínicas e maternidades atendidas Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) não foram pagos pelo órgão municipal a empresa Comercial Cirúrgica Rioclarense, do estado de São Paulo, entre os meses de março e dezembro de 2016. A denúncia foi feita ao jornal  A CRÍTICA por  Lorenna Mota, uma das representantes da companhia em Manaus. 

De acordo com a representante, a Rioclarense era uma das empresas licitadas pela Prefeitura de Manaus para realizar distribuição dos remédios ao Sistema Único de Saúde (SUS). Os atrasos começaram a ser registrados quando uma remessa de medicamentos, que somam R$12,7 mil, foi distribuída à central de armazenamento da Semsa. A partir daí, a dívida só aumentou. 



“Conforme o contrato de licitação feito pela prefeitura, a empresa só recebe o pagamento quando todos os medicamentos da lista que eles pedem são entregues à central. Quando eles começaram a atrasar, nós não estranhamos tanto porque era comum eles demorarem a pagar, só que não houve resposta da Semsa até o nosso setor jurídico começar a tomar as providências legais”, disse. 

O documento apresentado pela empresa ao A CRÍTICA revela que, ao todo, 31 pedidos feitos pela Semsa  não foram pagos, entre eles uma remessa de R$ 580 mil reais de remédios e materiais hospitalares. 

“Nós enviamos cartas, ligamos pra secretaria e a única resposta era de que o orçamento da prefeitura ano 2017 já estava fechado e que não havia possibilidade de pagamento”, disse.  
Lorenna Mota também explicou que no dia 15 de agosto conversou com o secretário da Semsa, Marcelo Magaldi por mensagem. “Ele disse que havia acertado com a Secretaria Municipal de Finanças (Semef) para pagar a dívida em 10 vezes, mas ficou apenas no ‘disse me disse’”, denunciou. A Rioclarense então acionou o Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM) para assegurar o recebimento da dívida.     

A empresa remetia à Semsa remédios antivirais, antibióticos,  antihelmíntico,  antiprotozoário,  oftálmicos,  para asma e rinite, além de corticoides,  fitoterápicos,  medicamentos para hanseníase,  tuberculose, anti-alérgicos,  osteoporose e para suplementação e planejamento familiar. 

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde informou que a situação do contrato “já foi equacionada e negociada junto à Semef e que estão apenas aguardando autorização para pagamento”. No entanto, quando a equipe de reportagem questionou sobre o prazo estipulado para quitar os débitos, a secretaria se limitou a dizer que o processo está em tramitação.

Orçamento de R$ 832 mi

 A Lei Orçamentária Anual (LOA) - Lei nº 2.200/2017 -, que estima a receita e fixa a despesa do Município  para o exercício financeiro de 2017 foi publicada no Diário Oficial (DOM) no dia último dia 6 de janeiro. 

Conforme a publicação, a Semsa deve receber um montante de R$ 832,1 milhões, 20,16% do total do orçamento municipal. Deste montante, R$ 653,1 milhões provenientes do Tesouro Municipal. Os outros R$ 178,6 milhões são oriundos de transferências do Sistema Único de Saúde (SUS), sendo R$ 162, 3 milhões do SUS Federal e R$ 16,2 milhões do SUS Estadual. 

O quadro orçamentário da pasta está disponível na Programação Anual da Saúde (PAS-2017), elaborada pela secretaria em dezembro de 2016, mesma época do processo das dívidas feitas com a empresa de medicamentos.

A ata de registro de preços para eventual aquisição dos medicamentos da Rioclarense foi publicada no fim de  2015 após um pregão presencial, com validade de um ano.
 


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.