Publicidade
Manaus
PREJUÍZOS

Comércio no Centro de Manaus já sente os efeitos da greve dos rodoviários

A avenida Eduardo Ribeiro e ruas adjacentes estavam praticamente vazias até as 9h desta terça-feira (17) 17/01/2017 às 09:32 - Atualizado em 17/01/2017 às 10:06
Amanda Guimarães e Luana Carvalho Manaus (AM)

A greve dos rodoviários também prejudicou o comércio. Além de muitos funcionários não terem conseguido chegar ao local de trabalho, a movimentação de clientes também é atípica. A avenida Eduardo Ribeiro e ruas adjacentes estavam praticamente vazias até as 9h desta terça-feira (17).

A vendedora ambulante Carmem Gonçalves, 34, disse que nunca viu o Centro tão vazio, exceto aos domingos. “Essa época geralmente é ruim por causa das férias, mas desse jeito como está hoje é raro. Tudo por causa da falta de ônibus”, disse. Ela mora próximo ao Centro e por isso conseguiu montar a barraca de café da manhã, mas já amarga prejuízos.

A vendedora Jussara Vieira, 34, chegou ao trabalho graças aos ônibus executivos. “Paguei um pouco mais, mas pelo menos consegui chegar. Mas era melhor ter ficado em casa porque em uma hora que estou na loja não entrou um cliente”.

Por outro lado, a costureira Cecília dos Santos, 55, aproveitou a greve dos rodoviários e a pouca movimentação no Centro para fazer compras. Ela pagou do Coroado, na Zona Leste, até o Centro, R$ 20 na corrida de mototáxi. "Eu estou achando bom que está vazio. Vou pagar minhas contas e fazer algumas compras".

Comércio afetado

O presidente da Associação do Comércio do Amazonas (ACA), Ismael Bicharra, afirmou que o movimento no comércio da capital será prejudicado pela paralisação dos rodoviários. Segundo ele, uma greve em um momento de crise na economia abalará ainda mais os ânimos dos lojistas.

“Ainda não temos os números para mensurar o quanto o comércio foi atingido. Mas é fato que hoje não será um bom dia para os lojistas de Manaus, pois o movimento já estava abalado pela insegurança na cidade. Agora por conta da greve muitas pessoas não conseguiram chegar aos seus postos de trabalho”, disse o presidente da ACA.

Ainda de acordo com ele, como nenhum ônibus está circulando na cidade, serviços nos shoppings, bancos e nas empresas localizadas nas diversas zonas de Manaus serão afetados. “O transporte coletivo é de imensa necessidade para a população, quando isso paralisa, tudo é afetado. Espero que o prefeito converse com a categoria, porque as empresas demitem os funcionários quando os seus faturamentos são atingidos. Em uma greve dessas, o serviço todo fica paralisado. Hoje será um dia difícil”, lamentou o representante da ACA.

Publicidade
Publicidade