Publicidade
Manaus
MORTE ADOLESCENTE

Comoção e homenagens marcam velório de adolescente morto por vigilante em posto de gasolina

Sofrendo pela morte precoce de Isaque, amigos e parentes pedem justiça.  12/03/2017 às 15:30 - Atualizado em 13/03/2017 às 09:45
Show capturar
Isaque Jorge Correa, 17, foi morto com um tiro na nuca disparado por um vigilante, que presta serviço no aeroporto Eduardo Gomes. Foto: Euzivaldo Queiroz
Alik Menezes Manaus

Um dia após comemorarem o aniversário do adolescente Isaque Jorge da Silva Correa, 17, familiares e amigos do estudante voltaram a se reunir na tarde e noite de ontem, mas, dessa vez, no velório do jovem, que foi morto com um tiro na nuca disparado por um vigilante, que presta serviço no aeroporto Eduardo Gomes. Sofrendo pela morte precoce de Isaque, amigos e parentes pedem justiça. 

Extrovertido, divertido, carinhoso, dedicado, esforçado e companheiro foram algumas qualidades que amigos e parentes usaram para tentar descrever o jovem. “Ele era um menino inesquecível. Tinha um coração que não cabia dentro do peito dele, tinha uma vida toda pela frente e foi morto de uma forma tão covarde”, disse Moisés Junior Pedrosa, 39, tio de Isaque. 


Entre os muitos sonhos e metas, o adolescente queria ser militar e contava empolgado sobre seus planos para qualquer um que se aproximasse dele. “Ele estudava na escola da Polícia Militar e tinha muito orgulho disse. Sempre falava que o sonho dele era ser militar e ia lutar por isso. Ele falava isso para todo mundo”, disse o tio.
Segundo Viviane Ribeiro, 16, amiga de Isaque há mais de 2 anos, o jovem era uma daqueles pessoas inesquecíveis e impossível de não se amar. “Ele era incrível. Nos falávamos sempre, ele era aquele amigo que você queria perto, que fizesse parte da sua vida. Ele não merecia uma morte assim, ele nem merecia morrer”, contou ela emocionada. 


Ainda sem acreditar na morte do amigo, Gabriel Ferreira, 18, lembrou das últimas vezes que os jovens estiveram juntos. “Jogamos bola, saímos para lanchar com a galera, jogamos  videogame, ele é um cara extraordinário. É impossível acreditar que ele não está mais aqui, não faz sentido”, disse. 
Inconsoláveis como Gabriel, centenas de outros amigos de Isaque não paravam de chegar e lotavam a igreja onde o corpo foi velado, localizada no Conjunto Viver Melhor, na zona Norte, mesmo bairro onde o jovem morava e era muito popular.  
“Todo mundo aqui conhecia ele, sabe?! Ele era um cara fantástico, querido por todos. Era contagiante ver a alegria de viver desse cara”, disse um adolescente, que pediu para não ser identificado. 

O jovem era querido até pelas mães dos amigos, que também consideravam Isaque como parte da família, como um filho. “Um menino de ouro, cheio de vida e mostrava isso naturalmente nos vídeos de palhaçada que eles faziam. Eu estou sentindo a dor que uma mãe sente ao perder um filho. Estou arrasada”, disse. 

Vigilante se entrega à Polícia 

O adolescente morreu na madrugada deste domingo (12), com um tiro na nuca disparado por um vigilante que presta serviços para o aeroporto Eduardo Gomes O crime ocorreu por volta de 3h50, num posto de gasolina, em frente ao Eduardinho, no bairro Tarumã, na zona Oeste de Manaus.

Isaque estava com um grupo de amigos comemorando o aniversário dele ocorrido no último dia 10. Segundo o tio, William Silva, os jovens se encontraram no posto onde ficaram ouvindo música e conversando.

Por volta das 3h30, outro grupo de amigos chegou ao local pedindo ajuda porque uma das motos deles estava com defeito. Ele relatou ainda que ao ser abordado pelo vigilante a vítima não reagiu, mas ainda assim foi baleado fatalmente.

O autor do disparo foi identificado como como Juliano Cesar Tanabe Azevedo, 25, foi preso em flagrante ao se apresentar no 19° DIP.

*Colaborou Rita de Cássia

Publicidade
Publicidade