Publicidade
Manaus
CENTRO DE MANAUS

Comprometido, ‘Garajão’ será fechado a partir de segunda-feira (30) para reforma

Prédio será desativado para reforma e não há data para a entrega da obra. Avaliado em R$ 6,5 milhões, o imóvel foi construído no fim de década de 80 e ocupa uma área total de 13 mil metros quadrados 27/04/2018 às 05:22 - Atualizado em 27/04/2018 às 07:24
Show garaj o
Construído entre 1987 e 1988, o prédio foi doado à Manausprev em 2007. Foto: Euzivaldo Queiroz
Lívia Anselmo Manaus (AM)

Mais de 30 anos após a inauguração, o edifício Jorge Teixeira, mais conhecido “Garajão”, será desativado para sua primeira reforma. O relatório técnico da empresa ORV Engenharia aponta que o prédio possui corrosão de armaduras e decorrente degradação de concreto em estágio intermediário que pode provocar acidentes e perda de funcionalidades. Com isso, a Manaus Previdência (Manausprev), responsável pela administração e quem contratou a empresa de engenharia, optou pela desativação quase imediata.

A partir do próximo dia  30, o primeiro edifício garagem vertical do Centro de Manaus voltará a ficar vazio e ainda não tem  data prevista de retorno. Avaliado em R$ 6,5 milhões, o imóvel foi construído no fim de década de 80 e ocupa uma área total de 13 mil metros quadrados.

A Manausprev informou que a desativação é necessária para evitar que haja danos maiores à estrutura do prédio. Segundo informou o órgão, assim irá “garantir, com ações preventivas, a integridade física e patrimonial dos usuários e servidores em atividade no local”. 

Segundo o relatório da ORV, um  dos motivos para que a estrutura esteja danificada além do  tempo, é a “ausência de  manutenção preventiva  através de inspeções rotineiras”.

Segundo publicação do Diário Oficial do Município (DOM), a  ORV Engenharia foi a empresa contratada por meio de licitação, por R$ 20,3 mil,  para a elaboração do projeto estrutural, incluindo o relatório técnico que determinou a interdição do prédio.

Para quem há quatro anos trabalha no prédio, a reforma chega em boa hora. “É uma necessidade que vimos de perto e que vai fazer a diferença no serviço”, afirma o caixa do estacionamento Adailton Palheta, que agora irá trabalhar na sede da Manausprev. Segundo ele, atualmente, de 10 andares, somente cinco estavam sendo utilizados.

Uma média de 150 carros passa pelo estacionamento diariamente, segundo Adailton Palheta. “Dependendo do período, circulam mais de 500 carros aqui e acredito que essa reforma vem justamente para garantir que haja segurança para todos nós”, disse o servidor. 

De olho

A Crítica teve acesso às dependências do estacionamento, na manhã de ontem, e constatou a situação precária do imóvel. Rede elétrica comprometida, fissuras, ausência de equipamentos de segurança são algumas das situações encontradas pela reportagem.

O “Garajão” é a principal opção de estacionamento da região, que tem o trânsito e movimento intenso durante todo o horário comercial.

270

É o número de vagas que oferece o edifício-garagem localizado na rua Floriano Peixoto, no Centro de Manaus. Uma das áreas que mais sofrem com a necessidade do estacionamento.

Usuários preocupados

O Garajão é ocupado, em sua maioria, por veículos de  comerciantes que trabalham e precisam passar o dia naquela região. Com diária a R$ 15, a utilização do espaço ajuda na rotatividade das vagas de estacionamento nas ruas do Centro de Manaus.

Esse é o motivo que faz com que os usuários se preocupem com o início e execução dos trabalhos. Morador da rua Floriano Peixoto, onde está o Garajão, Vanderlei Silva, 40 anos, é um deles. “Nós não queremos a garagem passe anos fechada de novo. Nosso medo é que seja mais uma obra que siga o exemplo de tantas outras aqui no Centro”, afirma.

Há 20 anos Antônio Silva, 50, trabalha como lavador de carros na redondeza e lava, inclusive, veículos no estacionamento. Segundo ele, desde que foi anunciada a desativação, a vizinhança  busca de opções de estacionamento privativo. Entre as ruas Floriano Peixoto, Mudurucus, Quintino Boicaiúva, Andradas, Leovegildo Côelho, as opções são poucas e a maioria não dispõe de vagas para clientes fixos.

“Por aqui todos os espaços já estão ocupados. O fechamento vai prejudicar bastante o nosso trabalho por um tempo, mas o que nós queremos saber é quando e se retorna como estacionamento depois dessas obras”, diz o lavador de carros.

Há quatro usuários que têm seis vagas compradas no Garajão. Segundo Arona Hamiki, um dos proprietário de vagas, eles não foram comunicados ainda. “Não nos informaram nada do que está acontecendo ou do que vão fazer e nós temos o direito, tanto quanto os outros, de saber”, afirma o comerciante. 

Questionada sobre os prazos, a Manaus Previdência (Manausprev) informou que ainda não há data prevista para o início do trabalho. “O processo administrativo para este fim está em trâmite”, informou a assessoria de imprensa do órgão. Segundo a Manausprev, a interdição precisou ser “quase imediata” devido às condições em que se encontra o prédio e para evitar mais problemas na estrutura (ver página C1). Todos os usuários com vagas compradas serão comunicados, segundo informou Manausprev. 

Publicidade
Publicidade