Publicidade
Manaus
André Pereira

Confirmado: corpo encontrado no igarapé do Mindu é de menino que caiu em bueiro

Familiares reconheceram como sendo de André Pereira, de 6 anos, o corpo da criança encontrado nesta tarde no Parque do Mindu. O menino desapareceu no domingo após cair em um bueiro e foi encontrado após três dias de buscas 26/04/2016 às 15:38 - Atualizado em 26/04/2016 às 16:46
Show 1 reprodu  o
O menino André Pereira desapareceu na tarde do último domingo (24) após cair dentro de um bueiro sem proteção na rua Penetração 4, bairro Amazonino Mendes, Zona Norte, enquanto jogava bola na companhia do pai
Vinicius Leal e Silane Souza Manaus

Familiares reconheceram como sendo do menino André Pereira, de 6 anos, o corpo de uma criança que foi encontrado no início da tarde desta terça-feira (26) no igarapé do Mindu, na Zona Centro-Sul de Manaus. O garoto estava desaparecido desde domingo, após ter caído em um bueiro no bairro Amazonino Mendes, na Zona Norte.

O reconhecimento foi feito pelo pai, Davison Lúcio Pereira, 31, e pela tia, Ana Maria Pereira, 49, no Instituto Médico Legal (IML). Eles conseguiram identificar o garoto através de uma marca que ele tinha nos dedos do pé direito – dois dedos eram parcialmente grudados. Após a confirmação, as buscas de três dias foram encerradas pelo Corpo de Bombeiros, às 15h32.

O corpo encontrado no igarapé que corta o Parque do Mindu, no bairro Parque Dez, na Zona Centro-Sul, estava a uma distância de aproximadamente 10 quilômetros do local onde ele caiu, o bueiro da rua Penetração 4 no bairro Amazonino Mendes, segundo informações dos bombeiros.

Quem encontrou o corpo foi o instrutor de academias André Walace de Lima Colares, 26. Ele não conhecia a criança, mas ficou sabendo do caso e resolveu ajudar nas buscas. “O corpo estava imprensado no monte de lixo. Quando vi que era ele, chamei o coronel Rodrigues, do Corpo de Bombeiros, que confirmou. Estava inchado e sangrando pelo ouvido, mas em perfeito estado”, disse.

As buscas

O menino André Pereira desapareceu na tarde do último domingo (24) após cair em um bueiro sem proteção na rua Penetração 4, bairro Amazonino Mendes, enquanto jogava bola com o pai, debaixo de uma forte chuva. O pai foi em casa e quando retornou a criança já não estava lá. O bueiro que sugou o garoto desaguava no igarapé do Novo Aleixo.

As buscas duraram três dias, e iniciaram ainda na tarde de domingo pelos bueiros do Amazonino Mendes, e também no igarapé do Novo Aleixo, sem sucesso. Na segunda-feira (25) os bombeiros continuaram os trabalhos naquela região, mas também não conseguiram encontrar o garotinho.

Hoje, terça, as buscas foram estendidas a quatro pontos da cidade: ainda no igarapé Novo Aleixo em direção ao Parque do Mindu; nas imediações da ponte do bairro São Raimundo; no trecho do igarapé do Mindu próximo à sede do Detran, na av. Mário Ypiranga; e no igarapé que corta o bairro São Jorge, sentido Rio Negro. Vinte a 30 bombeiros participaram das buscas nos três dias.

Documentação

Durante o reconhecimento no IML, o pai do menino André informou que não tinha com ele, em casa, a certidão de nascimento do filho, o que poderia atrapalhar a liberação do corpo e até ocasionar em um enterro como da criança como um indigente.

Segundo familiares, a certidão de nascimento do pequeno André foi levada pela a mãe biológica – de pais separados, o menino vivia com o pai e a madrasta. Devido a falta de documentação, o garoto de 6 anos não estudava e nem recebia vacinas no sistema público de saúde.

Explicações

“O pai nunca conseguiu pegá-lo (a certidão) porque ela (a mãe) não dava”, disse o avô da criança, Antônio Pereira de Lima, 54. “Uma (outra) filha dela (mãe biológica) viu a reportagem e veio aqui. Ela foi pegar os documentos. Meu filho não tinha uma boa relação com a mãe do André. Não sei os motivos e nunca nos metemos nessa história”, contou o avô.

De acordo com outra tia de André, Raquel Natividade Pereira Martins, 47, a mãe da criança é moradora de rua e sumiu há seis anos, o que dificultou a posse do documento. “Disseram que tem que procurar a mãe dele, mas se a mãe dele sumiu há seis anos como vai aparecer agora”, desabafou. Até a publicação da matéria, o corpo ainda não havia sido liberado do IML.

Velório

O velório da criança está programado para acontecer no Salão do Reino Testemunha de Jeová, que fica em uma igreja de Testemunha de Jeová localizada na rua 44-B, bairro Mutirão/Amazonino Mendes, Zona Norte, próximo à loja Concorde. O horário do velório não foi confirmado por familiares.

Publicidade
Publicidade