Sexta-feira, 26 de Abril de 2019
publicidade
EXEMPLO03333.jpg
Debaixo da passarela dona Maria de Souza Louredo produz e conquista novos clientes com o colorido de suas peças. Foto: Clovis Miranda
publicidade
publicidade

EXEMPLO DE HONESTIDADE

Conheça a dona Maria, que vende crochê e dignidade em passarela de Manaus

As peças são vendidas para clientes fiéis e também para aqueles que passam na rua e admiram o trabalho da senhora de 61 anos


06/04/2017 às 05:00

Um local que para muitos serve como meio de travessia de pedestres para cruzar a Avenida Djalma Batista, Zona Sul de Manaus, para a dona Maria de Souza Louredo, 61, é um local de trabalho. Situada próximo a Avenida Boulevard Alvaro Maia, o corrimão da passarela de pedestres todas as manhãs ganha um colorido diferente, com as tolhas e panos de prato que a dona Maria vende no local.

As peças ganham um toque especial com os crochês que enfeitam as bordas, e são vendidas para clientes fiéis e também para aqueles que passam na rua e admiram seu trabalho. E ela faz as peças ali mesmo, debaixo da passarela.

Ela que aprendeu a fazer a técnica através de uma amiga, que a incentivou para que pudesse ganhar dinheiro com o trabalho, hoje ajuda nas despesas da  casa onde mora com três filhos, com a renda que tira da venda dos guardanapos e toalhas. De acordo com dona Maria, quando a movimentação de pessoas é grande pelo local, a renda por mês pode chegar até R$ 500.

“Tem vezes que o movimento tá muito bom, outras vezes não muito. Os dias de pagamento são dias bons de estar lá para vender, pois é quando tem movimentação nos bancos”, destacou a autônoma que há cerca de dois anos trabalha no local. Com o dinheiro das vendas, ela paga o aluguel e as contas da casa.

Os valores das peças variam entre R$ 13 e R$ 20, quando o cliente prefere levar a toalha de rosto ou pano de prato, respectivamente. Quando ela mesma vende o produto já todo feito com a borda de crochê, acrescenta o valor de R$ 10.

Alternativa
Paralelo ao trabalho de crochê debaixo da passarela, dona Maria de Souza também trabalha em uma banca de café da manhã, localizada na rua Ferreira Pena, em frente à Casa da Borracha.

publicidade

Ela que é natural do município de Caapiranga (município do Amazonas, distante à 197.05 km de Manaus), e veio para Manaus com 13 anos de idade, hoje trabalha com auxilio de um dos filhos.

“Tenho dois homens e uma mulher, e ela é quem me ajuda tanto na venda das peças com crochê, quanto no café da manhã. Graças a Deus posso contar com ela e assim a gente vai levando. A crise tá grande para todo mundo, e as vezes as pessoas não compram. Mas a gente persiste e não desiste”, disse.


As peças ainda recebem detalhes exclusivos como bordas com crochê que podem ser feitos na hora por Maria Louredo

Oportunidades gratuitas para aprender
Diversos locais na cidade oferecem cursos grátis de artesanato. Aprender uma nova função pode ser uma saída para quem deseja ganhar uma renda extra, ou até mesmo, para aqueles que desejam fazer deste o seu “ganha-pão”. O Clube de Mães da Japiilândia, por exemplo, é um dos locais que sempre oferece oportunidades de cursos como informática básica e avançada, depilação, bonecas de pano e crochê.

O projeto Marias do bairro, que pode ser encontrado através da página no facebook com o mesmo nome, também oferece cursos grátis, como o de costumização de fitas. As aulas do projeto geralmente acontecem no bairro da Alvorada, zona Centro-Oeste.

Tem também a Feira do Paço, que reúne artistas e empreendedores dos mais diversos setores da economia criativa. O evento é realizado sempre no segundo domingo de cada mês e lá a população pode conhecer e se informar sobre cursos junto aos expositores.

publicidade
publicidade
Grupo Equador lança em Manaus primeiro combustível eco-aditivado do Brasil
Feira da FAS ocorre neste domingo (14) com venda de pirarucu e outros produtos
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.