Terça-feira, 07 de Julho de 2020
18 anos

Planta conhecida como 'Uva da Amazônia' frutifica em Manaus pela 2ª vez

Responsável pela maior folha do mundo, segundo o Guinness, a Coccoloba chega a produzir cerca de dois mil frutos



aaaaa_40BC214B-C185-46C4-B856-0921D36B3EFC.JPG Foto: Junio Matos
30/07/2019 às 07:06

Ainda rodeada de mistérios, um dos exemplares da planta Coccoloba, cultivada no campus do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), em Manaus, frutificou pela segunda vez em 18 anos, após um hiato de um ano, o que pode representar um avanço nas pesquisas não só em relação ao seu “comportamento” na natureza, como também nos benefícios que seu fruto pode trazer para as pessoas. 

A colheita da segunda leva de frutos maduros da Coccoloba (chamada carinhosamente de “Uva da Amazônia”) foi acompanhada com exclusividade pela equipe de A CRÍTICA no campus III (V8) do Inpa, localizado no conjunto Morada do Sol, Aleixo, Zona Centro-Sul de Manaus. Em uma primeira degustação, o sabor do pequeno fruto pode lembrar uma pitomba ou até mesmo uma azeitona roxa: travoso e levemente cítrico. A primeira frutificação foi registrada em agosto de 2017, após 17 anos de cultivo, o que possibilitou o início de experimentos mais detalhados em relação à germinação das sementes e as potencialidades nutricionais do fruto.



Há 22 anos registrada no “Guinness Book” como a maior folha do mundo já catalogada por chegar a ter 2,50 metros de comprimento por 1,44 metro de largura, a Coccoloba foi descoberta em uma expedição pela bacia do Rio Madeira, nas proximidades de Borba (distante 151 quilômetros de Manaus), pelo pesquisador do Inpa, Carlos Alberto Cid Ferreira.

“A Coccoloba é uma planta que chega a 13 metros de altura e produz cerca de 2 mil frutos. Após oito anos de cultivo no campus do Inpa, ela floresceu, em 2013. Em agosto de 2017, ela frutificou”, detalhou Cid Ferreira.

O pesquisador Jaime Aguiar, do laboratório de análise de alimentos do Inpa, foi quem chefiou a equipe responsável por iniciar a análise nutricional dos frutos da Coccoloba. “É um fruto ainda pouco explorado. Quando fiz as primeiras análises da polpa, vi que tinha bastante fibras solúveis e insolúveis. O mineral que predominou bastante foi o potássio e o magnésio. Tem também as vitaminas C (o que explica o leve azedume), A e do complexo B. É um fruto muito benéfico para as pessoas”, explanou.

Uma observação registrada na primeira coleta dos frutos foi que alguns passarinhos, como os bem-te-vis, foram vistos comendo os frutos. A hipótese é que outros pássaros também se alimentem da espécie e que, possivelmente, eles possam ser os dispersores da Coccoloba na região de Manaus. “Expandi a pesquisa com alguns colegas pesquisadores para que, cada um na sua área de conhecimento, ajudasse a desvendar os mistérios da Coccoloba. Um assunto vai puxando outro”, diz Cid Ferreira.

Planta tem folhas menores que as vistas em área nativa

O que contribui para esta árvore, da família Polygonaceae, ser cercada de mistérios que ainda intrigam os cientistas  é que não há registro da Coccoloba fora do seu ambiente nativo, na bacia do Rio Madeira. Tanto que a espécie começou a ser cultivada em 2005 no campus do Inpa, em Manaus, e após florescer em 2013, só frutificou pela primeira vez quatro anos depois, em 2017, voltando a dar frutos esse ano (em 2018 apenas floresceu).

Segundo as primeiras análises dos exemplares cultivados em Manaus, a Coccoloba, além de fazer a fotossíntese natural, tem a capacidade de armazenar, em suas grandes folhas, energia durante a ausência de luz, ou seja, à noite. Outro detalhe observado, até aqui, é que as folhas das plantas cultivadas em Manaus não chegaram a alcançar o tamanho impressionante de suas “irmãs” da bacia do rio Madeira. Por variadas razões, tais como a diferença de solo, de polinizador e de ambiente, essas mudanças já eram esperadas pela equipe de pesquisa.

“Ela não tem essa capacidade de nascer espontaneamente na Amazônia central”, esclareceu Cid Ferreira, considerado pela comunidade científica como o maior coletor de plantas herborizadas da Amazônia brasileira por, em 30 anos de pesquisa, ter coletado aproximadamente 14 mil folhas para o herbário do Inpa, entre elas pelo menos 20 espécies amazônicas novas.

Armazena energia durante o dia e faz fotossíntese a noite

Segundo o pesquisador Cid Ferreira, a Coccoloba já pode ser considerada um fenômeno da natureza por ser uma planta de caule lenhoso, conseguir levar os nutrientes do solo até suas folhas e desenvolvê-las até chegarem a um tamanho impressionante.  "Diferentemente das plantas comuns, a Coccoloba armazena energia durante o dia e realiza a fotossíntese durante a noite também", disse.

A espécie foi encontrada em matas secundárias das margens do rio Canumã, afluente do rio Madeira, próximo a Borba, em 1983, após uma expedição do projeto intitulado “Flora Amazônica” - uma parceria entre o Inpa e o Jardim Botânico de Nova York. Anos mais tarde, em 1993, pesquisadores do Inpa e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), realizaram outra excursão à Floresta Nacional do Jamari, em Rondônia, onde foram coletadas, de uma única espécie, duas folhas que mediam respectivamente 2,50 metros de altura por 1,44 metros de largura, e 2 metros e 10 centímetros de altura por 1 metro e 32 centímetros de largura.

As amostras, na época da coleta, pesavam cerca de 840 gramas (a folha de uma árvore mais conhecida mal mexe o ponteiro de uma balança). Elas estão registradas e catalogadas no acervo científico do herbário do Inpa e fazem parte de uma exposição científica permanente da Casa da Ciência, no Bosque da Ciência, onde é uma atração turística à parte.

Sem nome tradicional

Sem um nome vulgar (nem entre os indígenas), a Coccoloba é chamada pelo nome latino que designa as espécies da família  “polygonaceae”, encontradas, sobretudo, em regiões tropicais e subtropicais da América do Sul e da América Central. Com o registro da primeira inflorescência e frutificação, a espécie amazônica começou a receber estudos taxonômicos para a identificação completa da espécie. Concluída essa parte do estudo, uma das sugestões de nome para essa planta amazônica seria Coccoloba Inpae, em homenagem ao Inpa.

News guilherme 1674 2977771b 6b49 41af 859a ef3c3b62eae8
Repórter do caderno Cidades do jornal A Crítica. Jornalista por formação acadêmica. Já foi revisor de texto de A Crítica por quatro anos e atuou como repórter em diversas assessorias de imprensa e publicações independentes. Também é licenciado em Letras (Língua e Literatura Portuguesa) pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.