Publicidade
Manaus
CAPITAL E INTERIOR

Conselho de Odontologia do AM intensifica fiscalizações para coibir práticas ilegais

Órgão realiza inspeções não só para combater o exercício ilegal da profissão, mas também para orientar 04/10/2018 às 07:13
Show dentista 4299dcb6 8d44 4d59 a164 4d8b70ca8cf6
Atuação de falsos dentistas devem ser combatidas no interior do AM. Foto: Divulgação
Priscila Rosas Manaus (AM)

O Conselho Regional de Odontologia do Amazonas (CRO-AM) está intensificando as fiscalizações no interior do Amazonas para combater irregularidades, principalmente, como o exercício ilegal da profissão. As inspeções ocorreram em Unidades Básicas de Saúde (UBS’s) de municípios como Urucará e Manacapuru.

Os conselheiros alertam que pacientes deve procurar profissionais regulamentados pelo órgão, uma vez que nos municípios é comum a figura do “falso dentista”  ou “prático”,  ou seja, aquele que não é formado em odontologia e acaba exercendo a atividade seja por curiosidade, porque não tem a devida especialização ou porque o conhecimento passou de pai para filho, entre outros casos.

Os conselheiros do CRO/AM Vilma Melo, Perla Assayag e Rozenaldo Tavares atuam diretamente com a fiscalização tanto na capital quanto no interior. Eles afirmam  que é importante sempre verificar o número do CRO,  que deve estar exposto em uma placa, no cartão do dentista ou no seu carimbo. Eles também alertaram que existem casos onde um falso dentista acaba utilizando registro de outro médico. Casos como esses  são considerados crime e passíveis de investigação e processo criminal, conforme o Conselho.

Os especialistas também afirmam que é necessário ter cuidado com os perfis em redes sociais, já que há pessoas que utilizam a internet para oferecer serviços de odontológicos sem autorização. Tal ação também é irregular. De acordo com os conselheiros, atualmente, 142 dentistas estão com a carteira vencida. O documento deve ser renovado a cada dois anos. “Acaba caindo no esquecimento”, afirmou Rozenaldo Tavares.

Atenção redobrada

Diferentemente do que a cultura popular acredita, o dentista não é apenas àquele que cuida dos dentes. Ele cuida de todo o Sistema Estomatognático, um conjunto de estruturas bucais que desenvolvem funções comuns que possuem como características comuns a participação da mandíbula. 

A conselheira Vilma Melo alerta para que o cidadão entenda que todo procedimento odontológico é um processo de risco. Seguindo a classificação de Spaulding, tudo é crítico ou semicrítico na odontologia. Se a pessoa se consulta com um falso dentista, por exemplo, está sujeita a se contaminar com microorganismos que causam doenças como hepatite B, Aids, herpes, além de infecções bacterianas. “Somente o dentista formado é preparado para atender dentro das normas de biosegurança”, destacou a conselheira.

População pode denunciar

Segundo o CRO-AM, todos os municípios do Estado têm profissionais qualificados para exercer o trabalho de dentista.  Qualquer desconfiança que o paciente tiver em relação ao profissional que está o atendendo basta entrar em contato através dos telefones 3131-2200 e 3622-7102. Denúncias podem ser feitas também via WhatsApp no 99618-8148.

Em Urucará, Vilma constatou pequenas irregularidades. Mas notou, principalmente, que a classe não se uniu para reivindicar problemas do local. “O trabalho do dentista não é só atender o paciente, mas conscientizar”, explicou ela, frisando sobre o papel político do profissional em defesa da população a quem está assistindo.

Às vezes, é necessário apresentar ao gestor o que é necessário para manter os cuidados dentro do consultório odontológico para evitar o risco de infecções. Por outro lado, a população também tem que pedir ao gestor municipal a figura do dentista.

Publicidade
Publicidade